Entrevista – Deschamps: “Crescemos na dificuldade”

O site oficial da FIFA encontrou na Costa do Sauípe o treinador da França, Didier Deschampsdurante o sorteio oficial para os grupos do Mundial de 2014.

FIFA.com: Como você viu a campanha da seleção francesa nas eliminatórias?
Didier Deschamps: 
Foi complicada. Caímos em um grupo de cinco equipes e que tinha também a atual campeã do mundo, a Espanha. A lógica do futebol prevaleceu e eles se classificaram de forma direta, enquanto nós tivemos de passar pela repescagem. E esses jogos de repescagem nunca são fáceis. Contra a Ucrânia, perdemos a partida de ida, mas conseguimos reverter no jogo da volta. No final, foi uma grande satisfação ter conquistado o objetivo e viver grandes emoções no Stade de France ao lado de nossa torcida. Isso é gratificante.

Esse tipo de feito não é demasiadamente “francês”?
Muitos franceses estavam nos apoiando. A imprensa pode escrever e dizer várias coisas, mas o povo, minha comissão e eu mesmo acreditávamos nos jogadores. Isso era o mais importante. É verdade que essa classificação entra um pouco na tradição francesa. Quando está em dificuldade, o francês tem uma tendência maior de apresentar um bom desempenho. Por outro lado, quando a França é favorita, acaba não atendendo às expectativas. Nesse caso, estávamos contra a parede após termos perdido por 2 a 0 e conseguimos nos classificar. A emoção foi ainda mais intensa.

68966469_deschamps_9583j

O que você disse aos jogadores?
Antes do jogo, disse que tinham a oportunidade de fazer história. Os atores eram eles, os jogadores. O treinador e a comissão técnica são figuras importantes, é claro, mas os principais nomes são os jogadores. Depois da partida, dei meus parabéns. Eles tinham o direito de ficar orgulhosos de si. Estavam com os amigos, as famílias. Além disso, fizeram que os torcedores e muita gente pudessem viver fortes emoções. Não foi fácil, mas eles conseguiram fazer a seleção francesa conquistar seu objetivo.

A página da África do Sul 2010 foi definitivamente virada?
Ninguém pode apagar o que aconteceu em 2010. Isso vai fazer parte da história. Mas não se pode olhar apenas para trás. O importante é a próxima Copa do Mundo e a Euro 2016, que será realizada na França. A seleção francesa precisa ter a ambição de ser o mais competitiva possível. Vamos ao Brasil com a vontade de chegar o mais longe possível.

France's Didier Deschamps holds the winners trophy surrounded by teammates after  their victory [ove..

Existe um perfil de jogador que seja indispensável para se disputar um torneio tão difícil como a Copa do Mundo da FIFA?
Trata-se acima de tudo do espírito coletivo. A noção de descanso é algo importante. Se tivermos jogadores que atuaram um pouco menos nas semanas anteriores à Copa do Mundo, melhor, eles chegam menos cansados. Existe o talento individual, é claro, mas o mais importante é o espírito coletivo e vencedor. Vamos passar várias semanas juntos, do início da preparação ao final da competição, por isso a vida em grupo e o estado de espírito são essenciais. Não é isso que vai fazer que vençamos as partidas, mas penso que, sem isso, não seria possível obter os resultados.

O fato de este Mundial estar sendo realizado no Brasil traz um ar de magia?
Sim, é o país do futebol. Entre jogadores, treinadores e torcedores, todos sonham com a Copa do Mundo. Mas no Brasil existe esse lado festivo. Agora, não existe nada mais lindo que um Mundial, seja ele no Brasil ou em qualquer outro lugar.

 



Redação do Torcedores.com