Acidente com fotógrafo no surfe

Aleko foi resgatado por amigos e bombeiros da praia de Itamambuca depois de sofrer um acidente que resultou em 9 pontos na cabeça.

É impressionante constatar a proximidade desses mágicos das lentes com os surfistas e skatistas, por exemplo. Há sempre um grande risco e, vamos combinar, eles fazem isso mais por amor à arte do que pela verba que conseguem no fim do mês. O acidente poderia ter sido pior, mas também poderia ter sido menos grave se ele estivesse de capacete.

Como foi o lance?
Por acaso, eu tinha esquecido o capacete. Nunca caio sem ele. Nos últimos 15 anos tem gente que me reconhece justamente pela cor do capacete. Mas, na correria de ver as ondas subindo acabei esquecendo em casa. Diante daquelas ondas e pros, fui para dentro d’água, pensando numa matéria com o Guigui, que chegou do Havaí. Depois de umas duas horas estava saindo do mar. Alexandre Moliterno veio numa onda e tentou um varial na junção. Mergulhei, mas nessa fração de segundo ele caiu, e a prancha veio direto na minha cabeça. Fez um corte, tipo uma fatiada de “picanha”. Moliterno ficou apavorado. O bombeiro entrou para me ajudar. Daí, não lembro de muita coisa, só algumas vozes… gente falando para eu não desmaiar, para respirar. O soldado Helder, do corpo de bombeiros, fez um ótimo trabalho de primeiro socorro. O Michel Santos, surfista e guarda-vidas do canto de Itamambuca, fez o resgate. Moliterno me levou até a Santa Casa de Ubatuba, ao ver que a ambulância levaria 40 minutos para chegar

Veja a entrevista completa no ESPN



Redação do Torcedores.com