Opinião: Fifa acertou em aumentar segurança da Copa

segurança

Depois que cerca de 100 torcedores chilenos invadiram a sala de imprensa do Maracanã, no último dia 18, quando os sul-americanos venceram a Espanha por 2 a 0, a Fifa resolveu apertar as rédeas da segurança. Se você resolveu dar um tempo na Copa e só voltou agora, vai aqui uma breve retrospectiva do que aconteceu: a ação dos chilenos aconteceu antes de o jogo começar. Do grupo, que não tinha ingresso, 85 foram presos e voltaram para o Chile.

DESTAQUE
Locutor argentino diz que Neymar não amarra a chuteira de Messi

Ficou feio demais para a Fifa e pior ainda para o Brasil. Falha gravíssima na segurança, que deixa margem a questionamentos de todo o tipo. Por isso, a entidade máxima do futebol resolveu se mexer. Aumentou o número de “stewards”,” nome pomposo dos seguranças contratados para t rabalharem dentro dos estádios e alinhou um plano com as polícias. E é justamente neste pomto que senti a diferença.

Estive no Itaquerão a trabalho em duas partidas: Brasil x Croácia, dia 12, e Holanda x Chile, dia 23. E a diferença na postura dos policiais foi notável. Na abertura da Copa, havia apenas uma barreira formada por membros da Polícia Militar, já nas imediações do estádio. Ali, era pedido que torcedores mostrassem o ingresso e, aos jornalistas, a credencial. Nenhum nome foi conferido.

Já em Holanda x Chile, o número de barreiras foi maior. Foram pelo menos três e ali já havia a orientação de o torcedor ter o ingresso na mão. Vi, também, menos pessoas com placas de “compro ingressos/buy tickets”.

Pelo jeito, a medida funcionou. Não houve relatos de confusões dos moldes do que aconteceu no Maracanã.

Apesar disso, fora dos estádios aconteceram problemas, como torcedores ingleses sendo alvo de uma bomba em um bar em São Paulo e outro que foi baleado em Porto Alegre, também em um bar. E isso não há como a Fifa controlar. É precimso mudar a cabeça das pessoas, isso sim.



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.