Fisioterapeuta que se recupera de câncer coloca Uruguai na Copa de novo

Getty Images

Uma vez eu estava na sala do Departamento Médico da Ponte Preta de Campinas. Na sala estavam Oscar, zagueiro da Ponte que depois foi para o São Paulo e se tornou capitão da seleção brasileira, um paraquedista que tinha quebrado a bacia numa descida errada e o fisioterapeuta Nivaldo Baldo, um cara novo de seus vinte e poucos anos, hoje um nome internacional na profissão. O caso é simples. Ele estava tratando do Oscar e do paraquedista. Oscar segurava o paraquedista para a fisioterapia pudesse ser feita. A dor era tanta que o cara chorava e gritava. Meses depois voltou a saltar. Foi curado pelo trabalho incansável do fisioterapeuta.

Na mesma época Careca, centroavante do Guarani, se machucou no joelho. O time necessitava dos gols daquele jogador pouco mais que um menino. Pernambuco, pouco mais de 20 anos, fisioterapeuta do Guarani, cuidava de Careca 24 horas por dia, quase sem descanso. Careca dormindo e ele fazendo as aplicações. Careca jogou a final contra o Palmeiras no Brinco de Ouro, fez o gol do título e o Guarani foi campeão brasileiro. Careca depois foi para o São Paulo e para o Napoli jogar com Maradona. Mas Pernambuco foi quem curou o craque na hora em que ele mais precisava. Hoje Pernambuco tem uma clínica em Campinas e uma na Arábia, onde reside.

Luizito Suárez foi operado do joelho há pouco mais de 30 dias. Walter Ferreira tem câncer, é fisioterapeuta do Nacional do Uruguai e da seleção. Parou tratamento de quimioterapia e foi tratar do craque. Depois do gol contra a Inglaterra, Luis Suárez foi abraçá-lo e mostrou ao mundo a cara do homem que, mesmo doente o tratou e colocou em campo para jogar.

A história contada de dentro faz entender por que tantos homens como Luiz Suárez conseguem vivar heróis. A fisioterapia há muito tempo coloca nas competições, atletas que já estavam perdidos em suas dores e amarguras. Eles tratam o corpo e alma desses atletas. Muitos profissionais como Nivaldo Baldo, Pernambuco e Walter Ferreira, sem alarde moldam nosso heróis.



Luiz Ceará é formado em Jornalismo pela PUCC-Campinas. Iniciou a carreira na Radio Cultura de Campinas e depois EPTV, filiada à Rede Globo. Trabalhou na TV Globo - SP, SBT, TV Século 21, TV Bandeirantes e RedeTV!, onde é repórter e comentarista. Participou da cobertura de 4 Copas de 3 Olimpíadas.