Opinião: Apesar do gol, Messi ficou devendo

Quatro vezes melhor do mundo. Gênio. Artilheiro. Segundo alguns, melhor do que Maradona e ameaça ao reinado de Pelé. Adjetivos não faltam quando o assunto é Lionel Messi. O camisa 10 do Barcelona e da Seleção Argentina é inquestionável quanto à qualidade com a bola nos pés. Mas, na Copa do Mundo de 2014, está devendo.

Está certo que foi dele o segundo gol da vitória argentina por 2 a 1 sobre a Bósnia, domingo (15), no Maracanã. Mas para quem tem tantas credenciais positivas, é pouco. O gol, bonito, mas longe de ser um golaço na minha opinião, foi importante, lógico. Mas, para Messi, é pouco. O mínimo que se esperava de um atleta do quilate dele era que fizesse chover.

Ele explicou o porquê de não ter ido tão bem:

“No primeiro tempo, não tinha a bola e acabava ficando longe do gol. Tinha que buscar para seguir adiante. Acabei perdendo várias bolas e muitas toquei para trás. Não fazia a partida que pretendia. No segundo tempo melhoramos porque jogamos como estamos acostumados e como gostamos.”

É pegar muito pesado dizer que Messi está devendo? Não. Ele é humano, falho, tem dias bons e ruins como todos nós. O problema é que ele chegou a um nível tão sobre-humano de atuação que qualquer dia ruim em campo salta aos olhos. E quando se é um oásis solitário no meio do deserto, isso fica ainda mais gritante.

Messi não jogou mal contra a Bósnia. Tampouco jogou bem, apesar do gol. Arrisco dizer que, apesar de Di María, Higuaín, Agüero, Lavezzi e companhia, Messi está sozinho na Argentina. Vive o mesmo drama que Cristiano Ronaldo em Portugal. Carrega um time nas costas. E por isso, não deslancha.

Talvez por se esperar tanto dele, as atuações com a Argentina sejam abaixo da média. Contra a Bósnia, foi. Faltou o jogo vertical, o drible, os arremates que o consagraram no Barcelona.  Que no sábado, diante do Irã, em Belo Horizonte, ele volte ao normal.

Foto: Getty Images



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.