Opinião: Torcida e Seleção precisam se entender em São Paulo

Antes do amistoso contra a Sérvia, na sexta-feira (6), o técnico Luiz Felipe Scolari pediu que os torcedores paulistas apoiassem a Seleção Brasileira. E quem foi ao Morumbi esteve disposto a isso. Ao todo, 67.042 pessoas – mais do que na estreia da Copa – acompanharam a vitória por 1 a 0 do Brasil sobre os europeus. Mas, apesar do estádio lotado e colorido de verde e amarelo, torcedores e Seleção ainda precisam se entender.

DESTAQUE
Brasil x Sérvia: Amistoso no Morumbi terá mais público que no Itaquerão
Seleção tenta fazer as pazes com São Paulo antes da Copa

Felipão disse que “era hora de mudar a história”, referindo-se à histórica resistência de São Paulo à Seleção. Mas eu estava no Morumbi e posso dizer: as arquibancadas tiveram paciência até demais com o Brasil. As primeiras vaias aconteceram somente no fim do primeiro tempo, após quase 45 minutos de futebol burocrático e pouco emocionante do time nacional. Vaias, a meu ver, com razão.

Vale lembrar que, por muito menos e em muito menos tempo, os brasileiros que foram ao Serra Dourada, em Goiânia, na última terça-feira (3), vaiaram a Seleção antes que o primeiro dos quatro gols sobre o Panamá fosse anotado. A torcida paulista teve mais paciência que a goiana. Fato.

Não faltaram “olas” nas arquibancadas e gritos como “Lê lê lê ô, Brasil” e outros na mesma linha. Mas como o futebol estava fraco, a impaciência, claro, aumentou. Ao ponto de parte dos presentes no estádio do São Paulo gritar o nome de Luis Fabiano, camisa 9 do Tricolor paulista. Coincidência ou não, pouco depois disso Fred balançou a rede. Na comemoração, o centroavante pôs a mão no ouvido, em resposta para quem o criticava.

Na quinta-feira (12), o Brasil vai estrear na Copa diante da Croácia, no Itaquerão. O adversário joga de forma semelhante à Sérvia: marcação forte e jogo de contra-ataque. Não vai ser fácil para o Brasil. Se continuar jogando como na última sexta, mais vaias certamente virão.



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.