Seleção brasileira tem exibição de coordenadas cartesianas

Getty Images

Brasília era mesmo o cenário ideal para o centésimo jogo da Seleção Brasileira em Copas do Mundo… o Estádio Nacional Mané Garrincha tinha mesmo a aura perfeita para o gol 100 nesse Mundial… e esse cálculo só fecharia de maneira precisa se fosse pela trigonométrica atuação do craque camisa 10… o jovem talento e a bola parecem fazer do campo a prancheta, na qual rabiscam os mais finos traços de uma moderna arquitetura do futebol…

…é algo inspirador…puro da nossa cultura…o gramado para eles tem a beleza e a grandeza do Eixo Monumental…que avenida federal…na capital, tivemos uma exibição de coordenadas cartesianas…algo como se fosse de Neymar pra Niemeyer…

LEIA MAIS:
Neymar vira artilheiro da Copa e pode vencer Ronaldo em aposta
Brasil x Camarões: Veja gols de Neymar e fotos da partida
Brasil x Camarões: torcida volta a cantar o hino até o fim
Galvão chama Neymar de Romário antes de Brasil x Camarões

…no primeiro gol, aos 16, a classe e a leveza do toque daquele compasso deixou atônito o arqueiro Itandje… a bola parecia ter sido suavemente dividida em duas faces iguais para, ao tocar as redes, transformar a meta na mais fidedigna imagem do Congresso Nacional…quantas importantes decisões passam por esse espaço!…aos defensores camaroneses restou, de fato, sair bem na foto…

…e em meio ao susto do rabisco pra fora do papel, numa falha da zaga, que permitiu o empate, aos 25, por meio de Matip, lá estava novamente o nosso arquiteto da bola…

…aos 34, Neymar avançou em direção à área adversária com a analítica flexão cerebral do Expert que resolve, numa questão de segundos, aquele algébrico problema…não foi chute, ele sabia bem a resposta…o goleador conhece cada ângulo do gol…é como um conceito em 360 graus…”aqui, eu sou o presidente..aí atrás de você, goleirão, está a minha morada com a redonda…é o nosso Palácio da Alvorada”…

…depois, já na segunda etapa, Fred, aos 3, com aquele bigode de coronel, fez a guarda africana se render aos encantos da artilharia verde e amarela…e, mais tarde, já aos 38, Fernandinho fechou o placar com a ponta do lápis, num toque Supremo, de bater o martelo como num Tribunal…

…Agora, nossa Seleção vai a Belo Horizonte enfrentar o Chile… que os arquitetônicos ares da Pampulha provoquem ainda mais a criatividade da nossa técnica e da nossa inigualável estética…



Jornalista formado pela Faculdade de Comunicação Social da Universidade Federal de Juiz de Fora. Atualmente é professor do Departamento de Televisão e Rádio da mesma faculdade.