Sterling sai de cena. Com mais 2 bi de dólares no bolso

Pelo que estão dizendo por aí, o Los Angeles Clippers foi vendido e não pertence mais a Donald Sterling, ex-proprietário que foi praticamente chutado da liga depois que um áudio com comentários pra lá de racistas vazaram para a imprensa dos EUA. Se você, caro leitor, quiser voltar a chafurdar neste episódio que teve até ofensas a Magic Johnson, fique à vontade.

Mas este post é, na verdade, um lamento. Sterling vendeu seu time por uma fortuna de 2 bilhões de dólares. Na verdade, ele vendeu seu time pela maior fortuna da história da NBA, muito à frente do segundo colocado, como mostra a tabela aí em cima.

Claro que os Clippers vivem um momento único na sua história, e na história da cidade de Los Angeles, que viu a majestade do Lakers, ainda que momentaneamente, sendo colocada contra a parede. Mas não é para tanto. Mesmo a imprensa dos EUA achou um disparate. Só para a gente pensar um pouco, a venda da franquia foi a “punição” que Sterling levou por seus comentários racistas. Nos próximos dias, a NBA iria realizar uma audiência em que debateria a expulsão da família Sterling do comando da franquia. Cá entre nós, acho que ele está rindo por último nesta história toda.

O comprador foi um ex-CEO da Microsoft, Steve Ballmer, que no ano passado quase comprou o Sacramento Kings para realocá-lo em sua terra natal e maior cidade-órfã da NBA, Seattle. A negociação, entretanto, prevê que o time fique em Los Angeles.

Ballmer levou a melhor num leilão em que todo mundo jogou alto. Muito alto. O grupo mais modesto colocou na mesa uma oferta de US$ 1,2 biihão, segundo o jornal LA Times.

Eu não sou bilionário (estou bem longe disso, na verdade), mas mesmo que dinheiro não fosse um problema em minha vida, acho que eu me incomodaria com o fato de dar tanta grana para um sujeito que foi penalizado pela liga por fazer o que Sterling fez. Este questionamento parece não incomodar Ballmer.

Aliás, este é o novo dono do Los Angeles Clippers:



O blog Homens Brancos Não Sabem Blogar (HBNSB.com) existe desde 2010, escrevendo sobre basquete brasileiro, europeu, curiosidades e, principalmente, NBA. O nome é uma homenagem a este clássico esquecido do cinema basqueteiro: White Men Can't Jump.