Gustafsson se machuca e Cormier desafiará Jon Jones no UFC

O americano Daniel Cormier já era apontado como um dos principais candidatos a tirar o cinturão dos meio-pesados (93 kg) do UFC de Jon Jones. E a oportunidade chegou mais cedo do que o esperado. O sueco Alexander Gustafsson, que seria o adversário original de Jones no UFC 178, dia 27 de setembro, em Las Vegas (Estados Unidos), sofreu uma lesão no joelho e foi cortado do combate. E Cormier foi confirmado como novo desafiante.

Aos 35 anos, Cormier é um dos melhores lutadores de MMA do mundo na actualidade. Wrestling de nível olímpico (já foi capitão da selecção norte-americana), é excelente lutando em pé e não faz feio no chão. Seu último triunfo, sobre o veterano Dan Henderson, aconteceu com um mata-leão. Cormier também não sabe o que é perder. São 15 vitórias em seus 15 combates. No cartel, há títulos do Grand Prix dos pesos pesados do Strikeforce e de eventos menores de MMA nos Estados Unidos.

Desde que chegou ao UFC, no ano passado, foram quatro lutas. Ele estreou vencendo Frank Mir por decisão unânime em abril de 2013. Seis meses depois, bateu Roy Nelson, também nos pontos. Em fevereiro deste ano, nocauteou Pat Cummins no UFC 170. No UFC 173, em maio, finalizou Dan Henderson. No Strikeforce, nocauteou Antônio Pezão e venceu o veterano Josh Barnett nos pontos, entre outros.

Ou seja: currículo Cormier tem. E muito.

O problema é que currículo é justamente o que sobra para Jon Jones. Aos 27 anos, “Bones” é não só o campeão mais jovem da história do UFC (aos 23 anos, tomou o cinturão de Maurício Shogun, em 2011), mas também é o campeão com mais defesas de cinturão na atualidade. Foram oito, sobre gente do quilate de Quinton “Rampage” Jackson, Lyoto Machida, Rashad Evans, Vitor Belfort, Chael Sonnen, Alexander Gustafsson e Glover Teixeira.

Jones é uma máquina. Mas que pode ser batida, como bem mostrou Gustafsson. O sueco mostrou o caminho das pedras, ao conseguir aplicar quedas no campeão. Por pouco, não venceu. E como Cormier é excelente no wrestling, a vida de Jones pode ser dura.

Difícil arriscar favorito. Talvez pela experiência (apesar de mais novo, Jones tem mais rodagem no octógono) e pela confiança como campeão, Jones tenha teórica vantagem, além da envergadura e altura. Diante do 1,93m de Jones, o 1,80m de Cormier parece pouco. Mas o desafiante compensa com boa movimentação e, novamente, seu wrestling de elite.

Mais uma luta sensacional a caminho. Não será surpresa se a categoria dos meio-pesados ganhar um novo rei depois dessa data.



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.