Brasil quer 27 medalhas nos Jogos Olímpicos de 2016. Relembre as últimas campanhas

A exatos dois anos dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, o Brasil tem uma meta ousada: conquistar a marca de 27 medalhas, dez a mais do quem Londres, na Inglaterra, em 2012.

Para se ter uma ideia do que isso representa, os Jogos de Londres foram os de melhor desempenho do país, ao menos em número de medalhas. Foram três ouros (na ginástica, com Arthur Zanetti – foto -, no judô, com Sarah Menezes, e no vôlei feminino), cinco pratas e nove bronzes. O país ficou com o 22° lugar na classificação geral dos Jogos.

“Vamos brigar com Cuba, Itália, Ucrânia para ficar dentro do top ten. Nas últimas cinco Olimpíadas não houve mudança nos primeiros lugares”, afirmou diretor-executivo de Esportes do Comitê Olímpico Brasileiro, Marcus Vinícius Freire.

A campanha nos Jogos de Londres foi a melhor em número de medalhas, mas não a mais vitoriosa do Brasil nos Jogos. Em Atenas, na Grécia, em 2004, foram cinco ouros (só não foram seis por causa do ex-padre irlandês que atrapalhou Vanderlei Cordeiro de Lima na maratona – ele ficou com o
bronze), duas pratas e três bronzes. O país ficou com o 16° lugar.

Quatro anos depois, em Pequim, na China, o Brasil não foi também e fechou os Jogos com três ouros, quatro pratas e cinco bronzes, no 23° lugar no quadro de medalhas.

Mas foi 2000 o pior desempenho recente do país nos Jogos Olímpicos. Em Sydney, na Austrália, o Brasil saiu sem nenhum ouro. Das 12 medalhas, foram seis de prata e seis de bronze, além da 52ª colocação geral.

 



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.