Opinião: Bottas é um ótimo nome para a McLaren em 2015

O período de férias da Fórmula 1, que só volta a ter um GP no próximo dia 24 de agosto, é sempre uma fase de muitas especulações sobre o mercado de pilotos e equipes. O mundo de boatos, chamados pela mídia estrangeira de “Silly Season” (que equivaleria em português a algo como “temporada idiota”), surge com muita força. Mas um deles faz sentido: Valtteri Bottas pode ir para a McLaren em 2015, ano em que a equipe contará com a volta dos motores Honda à F1.

Como explicou o jornalista Livio Oricchio em seu blog, a ideia é plausível. Bottas é finlandês e tem por trás de sua carreira o bicampeão mundial Mika Hakkinen, que conquistou os dois títulos pela McLaren nos anos 1990. Em entrevista ao site da revista Autosport, o diretor da McLaren, Eric Boullier disse que a equipe está em estado de espera, pensando em fazer um trabalho a longo prazo. “Se qualquer piloto estiver disponível no mercado, nós vamos ficar interessados para ver se eles se encaixam”, afirmou o dirigente.

LEIA MAIS
Opinião: a boa fase de Bottas
Hamilton diz que foi contratado apenas para correr

Mais direto ainda. “O plano é construir a McLaren em um longo prazo no topo, e nós precisamos saber o que vamos fazer nos próximos três, quatro ou cinco anos”. A reportagem da revista entendeu que isso sugere uma possibilidade de que Fernando Alonso, Sebastian Vettel ou Lewis Hamilton possam estar entre os cotados para essa vaga. A McLaren esperaria o final do compromisso de um deles com Ferrari, Red Bull ou Mercedes, para dar o bote, que poderia ser para 2016 ou 2017. Até lá, a equipe de Ron Dennis contaria com outro nome mais pontual.

E aí que entra o nome de Bottas. O piloto da Williams tem apenas 24 anos e já desponta como um dos nomes mais promissores da Fórmula 1. Este ano, está muito a frente do brasileiro Felipe Massa no Mundial de Pilotos. Coloca com frequência seu carro à frente de concorrentes da equipe de Frank Williams ao posto de melhor entre as “mortais”, as equipes que buscam as sobras do domínio da Mercedes. Só não conseguiu vencer, como fez duas vezes o australiano Daniel Ricciardo, da Red Bull, outra jovem promessa.

Tirar Bottas da Williams seria uma tarefa bem menos complicada do que convencer a Ferrari sobre liberar numa boa sua estrela, Fernando Alonso, ou mesmo tirar Lewis Hamilton da Mercedes. Vettel e Red Bull ainda não dão tantos sinais de desgaste, mas imagina-se que o tetracampeão mundial tenha muito mais vontade de correr pela Ferrari do que pela McLaren.

Avaliando apenas o resultado das pistas, é Bottas o principal responsável pelo ressurgimento da Williams na parte de cima da classificação do Mundial de Construtores. Massa pode ter importância bastante considerável no desenvolvimento do carro, mas é o jovem finlandês quem trouxe os pontos para casa.

A volta da Honda é um grande aposta da McLaren para o retorno dos bons tempos. O último título data de 2008, vencido por Lewis Hamilton após uma ultrapassagem apenas na última curva do GP do Brasil. A equipe de Ron Dennis vai completar seis anos sem ver um piloto campeão mundial. Não conseguiu dar a Hamilton nos anos seguintes um carro à altura do domínio da Brawn e da Red Bull. Acabou perdendo sua maior revelação em muitos anos de existência para a Mercedes, sua parceira nos títulos de Hakkinen e do próprio Hamilton.

Bottas, se tiver com a McLaren-Honda o mesmo grau de adaptação que teve ao Williams-Mercedes, será um nome à altura do desafio que a equipe britânica terá na próxima temporada. Pode não lutar pelo título logo de cara, pois será complicado para a montadora japonesa já chegar quebrando a superioridade da Mercedes. Além disso, a Renault virá alucinada para recuperar o tempo perdido após os péssimos momentos vividos no início dessa temporada.

E sempre há o inesperado. Vai que a McLaren-Honda acabe brigando pelo título com Bottas. Aí o longo prazo do projeto de Boullier vai se tornar uma realidade. Com 25 anos, Bottas poderá viver grandes anos na equipe que já foi campeã com nomes como Ayrton Senna, Alain Prost, Niki Lauda, Emerson Fittipaldi, entre tantos outros. E a McLaren pode nem precisar de Vettel, Alonso ou Hamilton.

Foto: Getty Images



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.