Após desabafo contra a CBF, o que podemos esperar no retorno de Sheik?

Emerson Sheik
Getty Images

Após desabafar contra a CBF, Emerson Sheik volta ao Maracanã nesta quinta-feira (25) contra o Goiás, mesmo sob o risco de pegar até 18 jogos de suspensão. Como seu julgamento pelo Superior Tribunal de Justiça só acontece na próxima segunda-feira (29), o atacante deverá encarar o Esmeraldino e o Grêmio, no domingo.

Embora não haja nenhuma perseguição oficial da Confederação Brasileira de Futebol sobre o jogador, a sua volta aos gramados será cercada de expectativas. As declarações de Sheik na quarta-feira passada tiveram grande repercussão e ajudaram a aumentar os questionamentos em torno da CBF.

Leia mais: Opinião do Torcedor: Sheik desabafou contra a CBF por todos nós

Ao chamar aquela entidade de vergonhosa, Sheik não se referiu apenas aos gritantes erros de arbitragem verificados até agora no Brasileirão. A indignação do camisa 7 do Botafogo abarca também o péssimo calendário do nosso futebol, os ingratos horários das partidas, os altos valores dos ingressos e toda uma série de medidas amadoras tomadas pela CBF.

Desta forma, o retorno de Sheik chama a atenção de todos nós. Ainda que não possamos acreditar em perseguição, a cada jogada de Emerson, a cada falta sofrida e, principalmente, a cada reclamação será preciso ficar de olho para termos certeza de que não haverá represália.

Mesmo que não seja unanimidade, a palavras de Emerson Sheik representaram um pouco a sensação de todos os torcedores brasileiros. Não está fácil torcer hoje em dia no Brasil e, como vimos na Copa do Mundo, nem mesmo para o Brasil. Ir aos jogos ou mesmo assisti-los em casa é uma verdadeira epopeia, mas parece que os mandatários do nosso futebol não sentem isso na pele.

Aliás, não é difícil acreditar que José Maria Marin e seus companheiros não sejam muito chegados ao esporte bretão, pois, como vimos na última convocação de Dunga, o futuro presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, teve que indagar Gilmar Rinaldi diante da imprensa sobre os convocados que ele sequer conhecia.

Esse é um dos muitos episódios que dão razão ao que Sheik disse. A CBF é uma vergonha, mas é apenas com a sua benção que Emerson volta a campo contra o Goiás para viver aqueles que podem até mesmo ser os seus noventa ou cento e oitenta minutos como jogador do Botafogo. Seu contrato é até o final do ano e, se levar a suspensão máxima, não volta a vestir a camisa do Glorioso. Sendo assim, o que podemos esperar no seu retorno?

Foto: Getty Images