Acusações de violência doméstica contra Hope Solo viram tabu nos EUA

linda
Reprodução/Instagram

Hope Solo, uma das estrelas da Seleção Feminina de Futebol dos Estados Unidos foi acusada de violência doméstica, mas o que parece é que ninguém quer falar sobre o assunto.

LEIA MAIS
Hope Solo: Fotos de goleira dos EUA nua voltam a vazar na internet

Na última quinta (18), a Seleção Feminina dos Estados Unidos disputou uma partida amistosa contra o México, em Nova Iorque, onde a goleira foi homenageada pelos 73 jogos disputados pela equipe nacional, estabelecendo um novo recorde na modalidade. Porém, a grande vitória de 4 a 0 e a premiação de Solo parecem não ter agradado os torcedores e parte da imprensa norte-americana.

Enquanto o país comenta a expulsão do jogador da NFL, Ray Rice, que foi flagrado agredindo sua esposa, Hope Solo se tornou notícia após ser acusada de violência doméstica contra sua meia irmã e seu sobrinho de 17 anos em junho deste ano, na cidade de Kirkland.

Exatamente pelo fato de a goleira continuar suas atividades profissionais normalmente e não sofrer uma punição como Rice, a opinião pública se voltou contra a goleira. O diretor de comunicação da US Soccer cedeu entrevista ao tabloide americano Washington Post e disse:

“Estamos cientes que Hope está passando por um momento pessoal difícil, mas que ao mesmo tempo, ela teve a oportunidade de estabelecer um recorde significastivo para o esporte e sua carreira, além de ser premiada pelo esforço ao longo dos anos defendendo a Seleção. Mesmo considerando todos os fatores envolvidos, acreditamos que deveríamos reconhecer seu mérito da maneira devida”. A Nike, patrocinadora de Solo não se pronunciou sobre o caso.

Os questionamentos feitos pela imprensa são esses: é justo que o caso da Hope Solo, se comprovado, seja tratado de forma diferente do que outros recentes, envolvendo os jogadores da NFL? Será mesmo que a homenagem tenha mascarado o problema? Até que ponto as atletas femininas são tratadas de forma diferente que os atletas das modalidades masculinas, como exemplo para as novas gerações e em situações onde normalmente são às vitimas e não as acusadas?

As respostas para essas perguntas ainda passarão por várias discussões até que o caso seja comprovado.

Foto: Reprodução/Instagram



Jornalista Esportivo formado pelo Mackenzie e pela UCLA com passagem pela Rádio Bandeirantes, fundador do perfil Arquivo do Futebol (@futebolarquivo) e jornalista do MLS Brasil. Escreve para o Torcedores.com desde 2014. Twitter: @paulogcanova