Mesmo com manifesto, coros homofóbicos aparecem em Corinthians x São Paulo

Não surtiu efeito o manifesto lançado pelo Corinthians há alguns dias, pedindo o fim dos gritos homofóbicos no estádio. Durante o primeiro tempo do clássico contra o São Paulo, neste domingo (21), o goleiro Dênis ouviu o grito de “bicha” entoado pelos corintianos a cada tiro de meta cobrado pelo são-paulino. A prática virou comum nos jogos entre as duas equipes.

LEIA MAIS
Corinthians pede fim de gritos de “bicha” e homofobia nos estádios

A torcida do São Paulo, por sua vez, também deixou sua cota de gritos preconceituosos antes e durante o jogo. Os são-paulinos chegaram à Arena Corinthians cantando uma versão da canção argentina “decime qué se siente”, com uma letra que faz menções ao selinho dado por Emerson Sheik, quando este jogava pelo Timão, e ao caso do envolvimento de Ronaldo com travestis, mais de um ano antes de o jogador chegar ao clube.

Além disso, a música termina com o verso “o gavião virou um beija-flor”, como provocação à maior torcida organizada do Corinthians.

O manifesto lançado pelo Corinthians no último dia 12 de setembro fazia um apelo justamente contra os gritos de “bicha”. Ao torcedor, o clube disse que a prática poderá gerar punições no futuro à instituição. “Porque a homofobia, além de ir contra o princípio de igualdade que está no DNA corintiano, ainda pode prejudicar o Timão. Aqui é Corinthians!”, dizia a nota.



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.