Opinião: O jeito ‘fênix’ de Felipão para o futebol

Getty Images

Felipão é a personificação do Grêmio. As histórias de clube e treinador caminham por linhas semelhantes e são alimentadas pela esperança. Como se fossem Popeye e espinafre, os dois se completam e juntos, mostram que ainda têm lenha para queimar.

LEIA MAIS
Veja quem é o maior artilheiro gringo da história do seu time
Veja gringos que passaram pelo seu clube e você nem lembrava

O treinador de bigode característico chegou ao Tricolor com missões coletivas e particulares. A principal é a de resgatar a reputação, arranhada cada qual por um fator. Felipão estava desempregado, e a vexatória derrota por 7 a 1 para a Alemanha, na Copa do Mundo, martelava a sua cabeça como um relógio cuco de altíssima qualidade, que avisava a cada segundo que se passava. Já o Imortal, sempre cambaleia em busca de um título relevante.

Felipão foi recebido pela torcida gremista com muita festa. Suas palavras alimentam essa expectativa. E jogo após jogo, essa expectativa aumenta. Atualmente, o Grêmio é o quinto colocado, a três pontos do vice-líder São Paulo. O Tricolor ainda enfrentará no Brasileirão, todos os clubes à frente dele na tabela.

A expectativa de resultados, contudo, contrasta com o desempenho do time. Em campo, o Grêmio de Felipão tem a cara de Felipão. Tem o jeito de Felipão. Tem a ganância de Felipão. Tem a alma de Felipão.

O Tricolor é compacto, sabe ocupar os espaços e sai em velocidade no contra-ataque. É bom defensivamente e péssimo ofensivamente. A cada partida, o torcedor sofre ao ver o sofrimento do time no ataque. Quando a criação funciona, o setor finaliza mal. E vice-versa.

Futebol é resultado. Mas também é alegria, qualidade com e sem a bola no pé. Nesse aspecto, o Grêmio fica devendo. O time engessado nos três volantes é sólido, mas acéfalo.

A trilha pela redenção, após socos e cicatrizes invisíveis, mas bem aparentes, é dura. Felipão busca na defesa o seu principal ataque para se recuperar e elevar o Grêmio. E nesse aspecto, o treinador mostra que tem lenha para queimar…

Foto: Getty Images



Aficionado por futebol, escreve sobre o Grêmio "para o que der e vier". Não tece comentários bebendo vinho, mas sempre coloca o Mundial no caminho. Trarei a visão não-regionalizada do Imortal. Curta, compartilhe e comente.