Opinião: “Invencibilidade” de Weidman fez Anderson mudar o discurso

anderson silva

Anderson Silva mudou os planos. Nada de aposentadoria ou lutar apenas para se divertir, como tem falado desde que quebrou a perna na revanche contra o campeão dos pesos médios (84 kg) do UFC, Chris Weidman. O Spider quer retomar o cinturão e disse que “não para” enquanto isso não acontecer. A nova declaração de Anderson vai de encontro a tudo o que ele já disse. A pergunta é: por quê?

LEIA MAIS
Será mesmo que Anderson Silva não quer enfrentar Weidman?
Anderson Silva diz que só para quando pegar cinturão de volta

Há algumas teorias para isso. Grande amigo de Anderson, Lyoto Machida foi o primeiro brasileiro a ser derrotado pelo campeão Weidman após Anderson. Lyoto perdeu por decisão unânime do UFC 175, em julho deste ano. Em seguida, o americano deveria enfrentar Vitor Belfort no UFC 181, em dezembro. Mas uma fratura na mão esquerda do dono do cinturão adiou o combate.

Seja qual for o cenário da luta entre Belfort e Weidman, ambos são interessantes para Anderson, que deve enfrentar Nick Diaz em seu retorno às lutas, dia 31 de janeiro, pelo UFC 183. A primeira é, no caso de vitória de Belfort, a esperada revanche da “luta do século”, quando o Spider nocauteou o carioca com um chute no rosto em fevereiro de 2011 (pelo UFC 126). A segunda, claro, é mais um capítulo na rivalidade contra Weidman caso o americano continue campeão.

Se o próximo desafiante de Weidman fosse Ronaldo Jacaré em vez de Vitor Belfort, dificilmente Anderson daria uma declaração dessas neste momento. Jacaré, como Lyoto, é amigo do ex-campeão. E, na ética dos lutadores, amigos não devem se enfrentar. Mas como é Belfort…

Acredito que Anderson tomou uma decisão perigosa ao externar que deseja, sim, retomar o cinturão. Por mais contraditório que seja, voltar a ser o campeão e se aposentar “por cima” seria a glória para o lutador de 39 anos. E provar que não foi considerado o melhor lutador de MMA da história por acaso.



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.