Opinião: Torcida da Polônia no vôlei dá uma lição ao Brasil do futebol

2014 é especial no esporte por ter sido o ano em que o Brasil, “país do futebol”, foi sede da Copa do Mundo de futebol, e o “país do vôlei”, a Polônia, sediou o Mundial de Vôlei. O resultado foi que o Brasil acabou humilhado em casa na semifinal da Copa, enquanto os poloneses foram campeão mundiais da modalidade número 1 no país. Mas será que a diferença ficou só dentro de campo/quadra?

LEIA MAIS
Polônia vira, e Brasil perde o primeiro Mundial de Vôlei em 13 anos de Bernardinho

A resposta é não. A Polônia teve uma torcida incrível que cantou e incentivou o tempo todo. Levou aos ginásios e, acredite, até um estádio de futebol a lotação máxima das arenas, com músicas criativas, impulsionando o país.

Dá até uma tristeza se compararmos ao que vimos da torcida brasileira na Copa do Mundo, quando a criatividade vista nos estádios foi mesmo a da torcida argentina, sobrando ao Brasil cenas lamentáveis, como chamar Maradona de “cheirador” em um dos cantos entoados.

A força da seleção polonesa no Mundial de Vôlei esteve em um time que era bom, mas também no apoio que vinha das arquibancadas. A seleção brasileira de futebol teve, sim, um apoio legal dos torcedores na Copa, como o hino à capela, mas durante os jogos, quando o ritmo era mais cadenciado, não era incomum ouvir o silêncio imperdoável dos estádios.

O Brasil vai demorar muitos anos para receber outra Copa do Mundo. Nem sabemos quando isso se repetirá. Mas, com certeza, é tempo suficiente para que mudemos nossa forma de torcer, apoiar, e passemos a dar mais valor ao esporte, e não só às vitórias.

O próprio vôlei, com a medalha de prata brasileira, é um exemplo disso. Mesmo quando o time não estava claramente em seu melhor momento, em um ano marcado por derrotas contra o Irã na Liga Mundial, uma geração contestada, entre outras coisas, foi vice-campeão do mundo.

Nunca é tarde para aprender com os bons exemplos. Se decidimos eleger, em julho, a Alemanha como exemplo de trabalho, algo que depende de dirigentes e governantes, a Polônia é o exemplo que nós podemos seguir sem depender de ninguém.



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.