Opinião: Cruzeiro precisa garantir classificação à final já no primeiro jogo

Há algumas semanas, quem dissesse que o Cruzeiro corria algum risco de perder qualquer um dos dois campeonatos que ainda disputa seria chamado de louco. Seguro e determinado em seu caminho, o time era um dos poucos do cenário futebolístico nacional que podia se orgulhar de não ter tido uma má fase ao longo da temporada.

LEIA MAIS
Veja o ranking dos clubes que mais aumentaram suas dívidas em 2014

Copa do Brasil não é o caminho mais fácil para vencer a Libertadores

Na verdade, não que a oscilação que a equipe vem passando seja digna de ser classificada como uma má fase (longe, longe disso), mas acendeu um sinal amarelo no semáforo da Raposa. E isso será levado em consideração hoje, contra o Santos.

Jogando em casa o primeiro jogo da semifinal da Copa do Brasil, é importante aos comandados de Marcelo Oliveira garantirem um bom resultado para respirarem tranquilos. Receosos com a aproximação do São Paulo no Brasileiro, qualquer pequeno intervalo para puxar um ar puro neste momento para os cruzeirenses pode ser considerado um fôlego e tanto.

Nas próximas rodadas do Brasileirão, o time azul encara Botafogo e Criciúma, dois times que ocupam a zona de rebaixamento, em casa. No mesmo período, o São Paulo pega Criciúma também, e Vitória, outros dois que tentam permanecer na Série A, mas fora de casa. É a oportunidade que o Cruzeiro queria para espantar qualquer desconfiança sobre a conquista do bi.

No intervalo dessas partidas há o jogo da volta contra o Santos, fora de casa. Uma eliminação a essa altura dos acontecimentos poderia abalar demais o lado psicológico e terminar em uma catástrofe inimaginável.

Por isso que a peleja de hoje, no Mineirão, precisa ser encarada como uma final. É um esforço a ser feito para garantir a saúde do clube no longo prazo e a paz com a torcida, que andou reclamando um pouco além da conta ultimamente.

Algo que também atrapalha dentro de campo e pode botar tudo a perder.



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...