Opinião: Julgamento do STJD foi um espetáculo circense

Minha aversão por esse tal Valdívia é mais que conhecida. Por isso, todos sabem que eu não tenho qualquer motivo para defender este rapaz, mas o que houve na sessão de julgamento do STJD nesta terça-feira foi um verdadeiro espetáculo circense, digno do picadeiro que se transformou o futebol brasileiro.

Leia mais:
Botafogo x Santos: histórico, escalações e expectativas
Em entrevista, Sheik volta a criticar a CBF

Que os árbitros, antes de serem árbitros, eram torcedores, todos nós sabemos… Que os auditores do STJD têm lá seus times cariocas do coração, é igualmente notório. E ninguém é ingênuo a ponto de acreditar que todos os jogadores do seu time torçam para ele!

Mas daí a ter que entender ou aceitar que um dos auditores deste “tribunal”, ainda em plena sessão, se levante e cumprimente ostensivamente o jogador Sheik, Emerson ou Márcio, seja lá qual for o seu verdadeiro nome, há uma enorme distância.

Corre à boca pequena, que o auditor resolveu agradecer ao jogador por seus préstimos ao… Corinthians!

Pronto… Foi o que bastou para surgirem as comparações entre as penas aplicadas a jogadores do Palmeiras, como o Valdívia, e ao Sheik, ou a outros jogadores do Corinthians… E não sem razão, é bom que se diga!

Este auditor foi o único a votar pela pena de 3 jogos ao Valdívia, além de absolver o Sheik por ter xingado a CBF.

Ele foi também prolator de voto para que Petros pegasse um único jogo de suspensão por deliberadamente ter agredido um árbitro durante uma partida!

Sem contar que este mesmo “tribunal” ainda absolveu o jogador Wallace (adivinhem onde ele jogava…) quando este pisou em Barcos, em lance idêntico ao que levou Valdívia a um “gancho” de 2 jogos.

Pois é… Essa é a parcialidade com a qual os “Senhores do Tapete” escolhem as punições aos jogadores e aos clubes!

Sem qualquer juízo de valor, como levar a sério um “tribunal” cujo auditor, integrante do pleno responsável por um julgamento de caso de “racismo”, ostenta em rede social fotos e frases alusivas a este mesmo assunto?

O fato é que o futebol brasileiro perdeu a graça. Não é mais futebol brasileiro. É só futebol.

A onda de moralidade, imposta ao povo por meio de uma infinidade de proibições, sufoca aquilo que tínhamos de mais essencial em nosso futebol: O improviso!

Hoje, o que sobra é previsibilidade! Isto é racismo! Isto é homofobia! Isto é agressão! Coisas tão previsíveis quanto as sessões de julgamento do STJD…

Somos todos palhaços…

Foto: Getty Images



Advogado. 30 anos. Amante do futebol de modo geral e da Sociedade Esportiva Palmeiras de forma incondicional! Recentemente montamos um blog sobre futebol (www.porbaixodaspernas.com.br), onde podemos expor nossas opiniões da maneira que mais gostamos: com a visão das arquibancadas!