Cinco pontos positivos de 2014 que o Grêmio deve levar para 2015

Getty Images

O torcedor gremista pode reclamar de um jogador ou outro, do juiz, do destino e de uma porção de coisas, mas não pode negar que o ano de 2014 não reservou fortes emoções. Por mais que o Imortal tenha passado mais um ano na seca de títulos, aconteceram coisas boas para os lados tricolores.

LEIA MAIS:
Veja o que o Grêmio precisa fazer na reta final para carimbar a vaga à Libertadores-15
Grêmio vai de odiado a protagonista do futebol Brasileiro em 2014

A quebra do jejum sem vencer um Gre-Nal, o reencontro com seu técnico-ídolo Felipão e a confirmação da Arena Grêmio como o caldeirão que o clube queria que o estádio fosse, foram algumas delas.

Agora, convenhamos que aconteceram outras mais importantes e até mais decisivas que, se não renderam os frutos que eram esperados para o ano vigente, podem render quando 2014 virar 2015. O Torcedores.com separou cinco delas e explica o porquê a seguir:

1 – Sucesso na utilização de revelações

Dudu, Luan, Geromel e Ramiro são quatro garotos que o Grêmio vinha apostando nos últimos anos e que, no segundo semestre deste ano em especial, renderam ao time bons resultados. Os dois primeiros foram bastante importantes na função de municiar o artilheiro Barcos, enquanto que os outros dois, compuseram a melhor defesa do Brasileirão. Nem precisa dizer mais nada.

2 – Consolidação da defesa

Pegando carona no item anterior, um dos grandes trunfos do Grêmio em 2014 foi conseguir arrumar sua defesa. Setor que, tradicionalmente, recebe atenção maior no clube, a defesa gremista foi este ano a tábua de salvação da equipe. Marcelo Grohe, Pará (às vezes Alan Ruiz), Geromel, Rhodolfo e Ramiro podem não ter conseguido evitar que o Grêmio sofresse gols que o tiraram, momentaneamente, do G-4, mas conseguiram fazer a equipe ficar oito jogos sem sofrer gols no Brasileirão. Não é pouca coisa, não.

3 – Recuperação do time ao longo da temporada

Se por um lado a defesa fez a sensação de tempo perdido no Grêmio ser menor, por outro, essa sensação nem deveria ter entrado em pauta. O time teve um primeiro semestre muito instável. Apostou em Enderson Moreira e não o deixou trabalhar em paz. A torcida também não o apoiou em nenhum momento e estes fatores, somados à derrota vexatória no final do Gaúchão, atrapalharam demais o time. Entretanto, depois que Felipão chegou, praticamente tudo mudou. E isso é animador porque mostra que o espírito lutador do clube não saiu deteriorado nessa história.

4 – Boa mescla entre experiência e juventude

Falamos da boa escolha que o Grêmio fez em apostar nos jovens, no primeiro item dessa lista. Agora, faremos menção honrosa aos veteranos que, ao aliar sua experiência, com a ousadia dos novos, formaram mais um aspecto interessante do ano gremista, que pode ser levado para 2015. Zé Roberto, Barcos e Fellipe Bastos tiveram papés interessantes ao longo do ano, adicionando pitadas de tranquilidade e malícia ao time. Além de que Barcos, mais uma vez, colocou bola na rede até cansar.

5 – Nova diretoria ambiciosa e assertiva (por enquanto)

Mudanças em Diretoria de clubes são sempre bem vistas, principalmente quando estão no começo da gestão. O Grêmio não foge ao caso. Os novos dirigentes tricolores assumiram o comando ao longo da temporada e, pelo menos no discurso, prometem bastante. Aliás, não só prometem, como uma das coisas, já foi cumprida: o Grêmio voltou a vencer o Gre-Nal, algo que Duda Kroeff, diretor de futebol, frisou que aconteceria assim que ele e seus companheiros assumissem o comando do Grêmio. Vai brincando com os caras!

Foto: Getty Images

 



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...