A força do Cruzeiro está na eficiência do passe

O que você diria se alguém te contasse que no futebol brasileiro tem um time que pratica o mesmo estilo de jogo que consagrou o Barcelona comandado por Pep Guardiola, o famoso tiki-taka? Provavelmente você iria rir, principalmente se for um entusiasta de futebol europeu, que acha que no Brasil só tem incompetente.

LEIA MAIS
Após vitória, Antero Greco parabeniza Cruzeiro: “É Campeão Brasileiro”
Grêmio x Cruzeiro: Veja os gols da partida

Apesar da incompetência aqui ser grande, há sim alguns “cases de sucesso” para se estudar. O Cruzeiro, de Marcelo Oliveira, é um deles. Desde 2013 aterrorizando adversários país afora, em 2014 foi o ano da consagração de um treinador que “ousou” ao fazer um time brasileiro jogar como…um time brasileiro!

Segundo dados do site Footstats.net, o Cruzeiro trocou, até essa recém-finalizada 35ª rodada, 14.521 passes, sendo 13.181 deles certos, uma eficiência de 90%. Some-se a isso o fato de que, dos 62 gols-pró marcados pela equipe, 52 foram de dentro da área.

Ricardo Goulart, por exemplo, um dos artilheiros do time e vice-goleador do campeonato, fez todos os seus 14 gols de dentro das linhas que demarcam a grande área. Marcelo Moreno, fez 12 de seus gols assim.

O segundo colocado no quesito passes, São Paulo, deu pouco mais de 200 passes a menos que o Cruzeiro. O terceiro, Atlético-MG, passou a bola 700 vezes a menos. Gritante a diferença, porém, nem tão grande assim a eficiência.

São Paulo e Atlético-MG tiveram êxito em 90% e 89%, respectivamente, de seus passes. No entanto, ao analisar quantos gols os dois fizeram, vê-se porque o Cruzeiro já está com nove dedos na taça e ambos, não.

Dos 57 gols anotados pelo tricolor, apenas 45 foram de dentro da área, o que representa 78% dos tentos. No caso do Atlético-MG, aconteceram 40, dos 49 gols do time, naquela região do campo.

A porcentagem nesse quesito é de 81%, quase igual a do Cruzeiro (83%), mas a quantidade de bolas na rede, bem menor. São Paulo e Atlético-MG fizeram, respectivamente, 8% e 20% menos gols que a Raposa, que na última quinta-feira fez questão de furar mais duas vezes a melhor defesa da competição.

Não tem o que discutir: o Cruzeiro é o melhor time do Brasil, coletivamente falando. Isso porque nem levamos em consideração o quesitos: “lançamentos”, “dribles”, “desarmes”, “finalizações”…

Foto: Getty Images



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...