Mas hoje não! Hoje não… Hoje sim! Hoje sim?

gols

É. Deu Ruim. Nas últimas curvas, perdemos mais um campeonato. Nem mesmo a força maciça dos mais de 45 mil pé frios que estiveram no Morumbi foi capaz de garantir a classificação Tricolor para a final da Sul-Americana. Sim, eram todos pé frios, sem exceção. Inclusive, eu era um deles. Não necessariamente por sermos ímãs de má sorte, mas sim pela chuva que castigava as arquibancadas e deixava cada tênis parecendo uma vitória-régia.

LEIA MAIS
Alan Kardec vira alvo de piadas após pênalti perdido e eliminação do São Paulo
São Paulo x Atlético Nacional: Assista ao pênalti perdido por Alan Kardec

Tudo aquilo que projetamos para este final de ano foi por água abaixo junto à chuva. Na chegada, muita cerveja e planos para assistir a final na Argentina. Na saída, mais cerveja e o único plano se tornara esquecer a sofrida derrota nos pênaltis.

Não adiantou. O excesso de cervejas amenizou a dor temporariamente, mas, como já era previsto, voltou ao acordar pela manhã. E desta vez não veio sozinha. A dor da derrota trouxe consigo também a dor de cabeça…

Culpa do Muricy, que demorou (e muito!) para promover alguma substituição? Culpa do atleta olímpico Osvaldo, que como sempre, corre, corre e nada? Culpa do Kaká, que pouco fez nas duas semifinais? Culpa do Kardec, que foi bater pênalti de patins? Culpa de Tolói, de quem esperávamos um canhão e veio uma biribinha? Culpa do Luís, com sua fabulosa magia de sumir na hora H?

Não sei. Meu sentimento ainda é inconclusivo. Talvez esse time realmente ainda esteja em formação e nos renderá bons frutos em 2015. Talvez.

O sentimento quase conclusivo é que, apesar de termos um bom time e com muita entrega, ainda não temos um perfil vencedor. Aquele tipo do time que chega com total autoridade, mesmo na situação mais adversa, como é o caso do Galo de hoje. Não, ainda estamos longe disso.

Sem dúvidas, a grama de alguns vizinhos ainda é mais verde. Até o próprio Rogério acabou se rendendo à grama do vizinho (ou da vizinha, no caso dele). E ele pode ainda dar adeus à grama de nossa casa já no próximo domingo. Muricy pediu que não.

Oxalá ele mude de ideia. A despedida do maior ídolo da história do São Paulo merece capítulos finais bem mais ricos do que partidas insignificantes com os simpáticos coadjuvantes Figueirense e Sport.



Redator publicitário e editorial, colunista no site Por Baixo das Pernas e depoente no filme Soberano 2. Acredita que mulher, cerveja e futebol são os propósitos da vida.