Melhor ataque x melhor defesa: veja números de Grêmio x Cruzeiro

Getty Images

O jogo de hoje entre Grêmio x Cruzeiro representa mais que a busca por pontos valiosos para ambos os times. Será uma batalha de filosofias de jogo, o embate entre quem mais balança as redes contra o que menos vê sua rede ser balançada.

LEIA MAIS
Relembre jogadores com passagens por Grêmio e Cruzeiro

Dono do melhor ataque do campeonato, o Cruzeiro marcou 60 gols até aqui, em 34 partidas disputadas. Quem mais sofreu com o poderio cruzeirense foram Figueirense e Chapecoense, que levaram goleadas de 5 a 0 e 4 a 2, respectivamente, ainda no primeiro turno.

Santos e Flamengo também foram vítimas cruelmente atropeladas, em meados das primeiras 19 rodadas. Por mais que tenham sofrido “apenas” três gols, não conseguiram fazer nenhum e, por isso, entram também no rol dos goleados pela Raposa em 2014. Além deles, em outras 17 ocasiões, times levaram dois ou três gols da máquina celeste de balançar redes, que só não conseguiu o feito em seis jogos.

Por outro lado, os gaúchos do Grêmio podem se orgulhar e dizer que honraram a tradição defensiva dos pampas no Brasileirão deste ano. Em 34 partidas disputadas, o Grêmio sofreu apenas 19 gols. Para se ter uma ideia, a segunda melhor defesa da disputa, a do Corinthians, sofreu seis gols a mais que a do Grêmio.

Se ainda tal desempenho não é suficiente para demonstrar a dificuldade que é transpor a zaga do Imortal, saiba que o tricolor conseguiu ficar 20 jogos sem sofrer gol no campeonato, sendo oito deles de forma consecutiva. Marcelo Grohe, inclusive, entrou no ranking dos cinco goleiros que mais se mantiveram invencíveis em toda a história do Brasileirão.

Teoricamente, Cruzeiro é favorito na disputa de hoje. Será?

No primeiro turno, quando os dois times se enfrentaram, o Cruzeiro vinha sobrando no campeonato. Já liderava a disputa e metia medo em todo mundo. O Grêmio, na época, estava começando a se entender sob o comando de Felipão. Ninguém previu o que aconteceria naquele dia, no Mineirão.

Com um volume de jogo intenso, como sempre, o Cruzeiro pressionou o Grêmio desde o começo do jogo. Mas não conseguiu traduzir a superioridade em gols. No segundo tempo, é bom que se diga, as investidas celestes concentraram-se no bom e velho jogo aéreo, artifício usado mais por times sem opções técnicas, do que o contrário.

De tanto insistir, acabou vencendo, com um gol de cabeça de Dagoberto, aos 38 do segundo tempo. Até ali, o Cruzeiro havia marcado 31 gols no campeonato, ou seja, praticamente a metade do que fez dali em diante. No entanto, a dificuldade em derrotar os gremistas abalou a confiança cruzeirense e, ao mesmo tempo, fortaleceu a de todos os outros times do campeonato.

O Grêmio, principalmente, afinal, daquela rodada (15ª) para cá, foi que o time encaixou melhor e teve essa ascensão meteórica, que o tirou da condição de mais um patinador do meio da tabela, para aquele que mais tem chance ir à Libertadores, depois de Cruzeiro e São Paulo.



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...