Sem badalação em meio a galáticos, Isco cresce no Real Madrid

Isco
Foto: Getty Images

Desde o primeiro mandato de Florentino Pérez como presidente, o Real Madrid se notabilizou pela contratação de jogadores renomados, pagando por eles cifras astronômicas, o que acaba dificultando a vida de jogadores revelados no próprio clube, bem como daqueles atletas sem tanto nome e fama, que acabam relegados ao banco de reservas. Isco se enquadra no rol de jogadores sem tanto nome, porém de grande talento, contratados pelo Real Madrid e que, diante de tantos jogadores badalados, acabam sendo preteridos.

LEIA MAIS
Enquete: De qual game de futebol você sente mais falta?

O meia espanhol foi contratado pelo Real Madrid no verão de 2013, após disputar duas ótimas temporadas pelo Málaga, nas quais marcou, ao todo, 17 gols e distribuiu 11 assistências. Por se tratar de um jogador jovem, a primeira temporada de Isco serviria para ele ganhar experiência, a fim de que pudesse ser utilizado com mais frequência nas que viriam depois. Afinal, a concorrência no setor de meio campo do Real era ferrenha, pois o clube tinha em seu elenco o recém contratado Gareth Bale, o argentino Di María, o croata Modric e o espanhol Xabi Alonso.

Apesar da concorrência, Isco cavou seu espaço no time do Real Madrid, tendo aparecido num total de 53 jogos, sendo 32 por La Liga, 12 pela UEFA Champions League e 9 pela Copa do Rei, tendo marcado 11 gols e dado 9 assistências. Portanto, o espanhol teve uma boa participação na temporada 2013/2014, o que poderia indicar um crescimento do seu papel dentro do time merengue.

Contudo, os planos de Isco certamente mudaram quando o Real Madrid contratou o meio-campista James Rodríguez, destaque da seleção da Colômbia na Copa do Mundo de 2014. A contratação do colombiano indicava que, em vez de ver sua participação no Real aumentar, Isco poderia vê-la reduzida, fazendo com que especulações sobre o seu futuro surgissem.

Para Isco, o início desta temporada, certamente, não foi nada animador. No primeiro jogo oficial da temporada, a disputa da Supercopa da UEFA, o jogador espanhol começou no banco de reservas e entrou em campo apenas aos 27 minutos da segunda etapa. Na sequência, nos dois jogos disputados contra o rival Atlético de Madrid, pela Supercopa da Espanha, Isco não foi utilizado no primeiro jogo e, na segunda partida, entrou aos 24 do segundo tempo.

O cenário não mudou com o início do campeonato espanhol. Nos primeiros quatro jogos de La Liga, o espanhol começou três no banco de reservas (Córdoba, Atlético de Madrid e Deportivo La Coruña) e um como titular, contra a Real Sociedad, no qual o Real Madrid foi derrotado por 4 a 2. Neste período, o Real estreou na UCL contra o Basel, da Suíça, jogo em que Isco foi relacionado, porém sequer entrou em campo.

Nas partidas seguintes, Isco começou o jogo contra o Elche e permaneceu os 90 minutos em campo; entrou aos 39 do segundo tempo contra o Villareal; iniciou a disputa contra o Ludogorets pela UCL, mas foi substituído aos 30 da segunda etapa; e foi lançado em campo apenas aos 33 do segundo tempo contra o Athletic Bilbao.

Portanto, até o jogo contra o Athletic, Isco dava a impressão de que seria mero coadjuvante no time do Real Madrid, sendo utilizado como suplente na maioria das vezes, bem como disputando partidas de menor importância pelo campeonato espanhol, Copa do Rei e pela própria UCL.

A sorte de Isco, no entanto, começou a mudar com a lesão Gareth Bale no glúteo, que o deixou no banco de reservas contra o Levante. Com isso, Isco foi escolhido como substituto do galês e fez bonito ao marcar um gol – seu primeiro na temporada – e dar a assistência para o gol de Cristiano Ronaldo.

Diante da boa atuação contra o Levante, o jogador foi novamente escolhido para substituir Bale no confronto contra o Liverpool, em Anfield Roa, pela UEFA Champions League. Apesar da difícil partida, Isco atuou muito bem contra os Reds tanto na parte defensiva quanto na ofensiva, ajudando o Real Madrid a bater os ingleses pelo elástico placar de 3 a 0.

As duas ótimas partidas fizeram com que o espanhol fosse a escolha natural de Carlo Ancelotti para o clássico contra o Barcelona e, uma vez mais, Isco fez boa partida pelo lado esquerdo do meio campo do Real Madrid, que terminou com vitória merengue por 3 a 1.

As boas partidas não passaram despercebidas, tanto que Isco foi muito elogiado por James Rodríguez, que disse ter se impressionado com a habilidade do meio campo espanhol.

De fato, as últimas atuações foram muito animadoras, pois, além de ter ajudado no fortalecimento do meio de campo do Real Madrid, o espanhol deu ainda mais qualidade ao passe da equipe.

Para o jogo contra o Liverpool, no Santiago Bernabéu, Ancelotti ainda não definiu se Bale volta ou se Isco será mantido, mesmo com o galês recuperado da lesão. Segundo o treinador italiano, existe a possibilidade de Gareth Bale não começar jogando, pois há um certo temor de que ele possa se lesionar de novo, mas também cogita-se utilizar o galês desde o início para dar descanso a outros jogadores que estão atuando muito bem.

Mesmo com as boas atuações de Isco, é muito difícil imaginar o espanhol tomando o lugar de Gareth Bale no time titular, em especial pela sua importância na temporada passada. Contudo, é animador saber que o espanhol é um jogador com o qual o Real Madrid pode contar para manter o nível de atuação da equipe considerada titular pelo técnico Carlo Ancelotti.



Suposto entendido, analista e comentarista. Porém, simplesmente apaixonado pelo esporte mais popular e fascinante do planeta: o futebol!