Opinião: Felipão, Mano Menezes e Luxemburgo: os chorões do futebol brasileiro

felipaoemano

Há vários técnicos no Brasil com fama de maus perdedores. Muitas vezes não admitem as derrotas de seus times e desviam o foco para a arbitragem. E nesse ponto, Luiz Felipe Scolari, Mano Menezes e Vanderlei Luxemburgo são mestres na arte de chorar.

No último domingo, o Grêmio jogou mal, foi derrotado pelo Corinthians, em São Paulo, e praticamente deu adeus à vaga na Copa Libertadores-15. No pós-jogo, o gremista Luiz Felipe Scolari não reconheceu os méritos do adversário e os defeitos do seu time, assim atribuindo a derrota à arbitragem de Ricardo Marques Ribeiro, que não teria marcado pênalti cometido pelo corintiano Fábio Santos quando o placar ainda apontava 0 a 0. Pela imagem da TV vimos que o treinador não teve razão. A bola atingiu o rosto do lateral-esquerdo e não o braço.

LEIA MAIS: Mano Menezes só funciona quando tem prazo de validade?

Mano Menezes é outro com histórico em responsabilizar a arbitragem quando o seu Corinthians sofre resultado adverso. A sua última crítica mais contundente ocorreu na derrota para o Botafogo em jogo válido pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro. O treinador gaúcho reclamou da cera feita pelos jogadores botafoguenses, que segundo ele teve a conivência do árbitro André Luiz de Freitas Castro. Em nenhum momento, Mano falou da maneira apática com que seu time se comportou em campo. Talvez o comandante alvinegro tenha sido o mais detestado pelos árbitros em 2014. Somente nesse Brasileirão foi retirado de campo em três oportunidades.

O flamenguista Vanderlei Luxemburgo já teve fases com a língua mais afiada, mas mesmo assim não deixou de disparar contra a arbitragem nesse Nacional. No empate em 1 a 1 contra o Fluminense pela 23ª rodada , ele reprovou o árbitro que segundo ele não viu falta de Fred em Chicão no lance que originou o gol do rival.

Outro que está doidinho para entrar no time de chorões é o palmeirense Dorival Júnior. Na derrota para o São Paulo há pouco mais de 10 dias, o treinador desabafou contra o árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza que não havia dado cartão amarelo ao atacante Luis Fabiano por ter comemorado um dos gols ameaçando a tirar a camisa. De tanto esbravejar contra o homem do apito foi expulso.

Embora os treinadores passem do ponto nas críticas, uma coisa precisa ser dita: a arbitragem brasileira precisa de uma reciclagem. Esse assunto será abordado em um post futuro.

foto: Site oficial do Grêmio



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)