Opinião: Palmeiras-2014 perderia para times rebaixados em 2002 e 2012

Palmeiras

O Palmeiras de 2014 não caiu, depende apenas de si para permanecer na primeira divisão, mas já pode ser considerado como o pior elenco da história centenária do clube. Se fosse possível organizar um triangular contra os times rebaixados em 2002 e 2012 (longe do Allianz Parque, por favor!), a equipe comandada por Gilson Kleina, Ricardo Gareca e Dorival Júnior ficaria com o último lugar. E com duas derrotas.

LEIA MAIS
Internacional x Palmeiras: saiba o que está em jogo

Há 12 anos, o Palmeiras caiu para a Série B pela primeira vez, inaugurando os efeitos da política perversa do “bom e barato”, que nunca foi “bom”, nem “barato”, defendida sempre pelo então presidente e eterno influente Mustafá Contursi. Mas o time não era assim tão ruim, comparando ao que teríamos depois.

O campeonato era outro, time apenas um turno e era disputado no mata-mata. Com mais 25 jogos pela frente, havia tempo de sobra para reações, como as que vimos acontecer na era dos pontos corridos com equipes como Fluminense, Grêmio, Flamengo e São Paulo.

No elenco, nomes como César, Leonardo Moura, Arce, Zinho, Sérgio, Muñoz, entre outros, daria uma verdadeira surra em campo contra Felipe Menezes, Diogo, Juninho, Wesley, entre outros jogadores horríveis que hoje vestem a camisa do Palmeiras. Me arrisco a dizer que o time de 2014 tomaria uma sonora goleada. O técnico que caiu oficialmente com o time de 2002 é o hoje campeão da Copa do Brasil com o Atlético-MG, Levir Culpi.

A comparação com 2012 é um pouco mais acirrada, mas não custa lembrar alguns fatores que provocaram o rebaixamento do Palmeiras há dois anos. O time foi campeão da Copa do Brasil depois de uma atuação heroica no Olímpico contra o Grêmio, vencendo por 2 a 0, e de derrotar o Coritiba com 3 a 1 no agregado da decisão.

A partir daí, uma espécie de acomodação tomou conta daquele elenco, que tinha Barcos, Maikon Leite, o zagueiro Henrique, e foi comandado na maior parte do tempo pelo então ídolo Luiz Felipe Scolari. O rebaixamento foi inevitável e aconteceu nas mãos de Gilson Kleina.

Até por isso, o time de 2014 se mostra extremamente inferior. Deu vexame em tudo o que disputou no ano do centenário. É a marca de uma política medonha de contratações estúpidas. Vários outros clubes com orçamentos menores já estão livres do fantasma do rebaixamento, o que só comprova que mesmo uma política de “austeridade” precisaria ser feita com algum conhecimento. Não foi o caso. Esse time pode até não cair, mas já está rebaixado na cabeça e no coração de cada palmeirense.

 



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.