Opinião: Paulo Nobre é a melhor opção para a velha política e velha prática

Paulo Nobre
Foto: Divulgação/Palmeiras

O Palmeiras chega nesta reta final do Brasileirão lutando contra o rebaixamento e com a gestão Paulo Nobre contestada por muitos. O torcedor palmeirense, está entre as escolhas por Paulo Nobre e Wlademir Pescarmona na primeira eleição direta que ocorre neste sábado para presidente do clube.

LEIA MAIS
Com Valdívia em campo, Palmeiras vira time passador e disputaria o G-4
Empresário garante Gabriel Fernando no Palmeiras: “Ele sabe que vai ficar, só falta assinatura”

Durante algumas eleições, enquanto Mustafá Contursi indicava seu candidato, o adversário era sempre o “novo”, o “salvador”, o presidente que iria colocar o clube no caminho dos títulos. Com a eleição de Nobre e a decepção com sua gestão parece que o torcedor palmeirense já não tem mais essa utopia. Tanto a situação, quanto a oposição fizeram uma gestão irresponsável e prejudicial ao Palmeiras. E agora não tem o novo, são as velhas políticas já praticada no clube.

Nem o mais pessimista torcedor imaginaria que ao propor austeridade, colocar as finanças do clube em ordem seria o retorno da política “bom e barato” através de novas práticas. Paulo Nobre errou nas escolhas de seus departamentos de futebol. A falta de patrocínio master, contratações de jogadores de qualidades duvidosas, a demora na troca da comissão técnica com Gilson Kleina, a falta de planejamento com Gareca, a total liberdade ao Brunoro, o alto preço dos ingressos, a não negociação do Valdívia são exemplos da gestão conturbada.

Que contradição é essa querer que uma política fracassada de austeridade e em campo tenha continuidade com a reeleição de Paulo Nobre? Pois é, essa política de austeridade já era para ter começado há tempos.

Se levar em conta que Mustafá, desde 2009, apregoava que o clube precisava de um equilíbrio financeiro e que Tirone foi eleito para começar essa política, talvez hoje estaríamos em uma situação melhor. Mas Tirone não aguentou a pressão, pensou mais em seu ego, e abriu mão da política de austeridade, brigou com seu padrinho político e fez gastos exagerados contribuindo para o rombo nas contas do clube prejudicando ainda mais, gestões futuras.

Por essas e outras Paulo Nobre está no caminho certo, mesmo que seja em vias tortuosas. Enquanto muitos clubes começam a expor suas crises financeiras e passar pela mesma situação atual do Palmeiras, o time alviverde estará na frente com equilíbrio fiscal e grande time.

Se Paulo Nobre vencer as eleições precisará repensar sua visão de futebol. Talvez encontre em alguns conselheiros nomes que pensem muito mais Palmeiras do que os tais “remunerados”. Principalmente que o Palmeiras é um time com mais de 17 milhões de torcedores e não o tanto dos sócios Avanti.

Foto: Divulgação/Palmeiras



Apaixonado por futebol. Fanático pelo meu clube de coração, mas mantenho uma visão critica e imparcial de todos os clubes, sem misturar paixão e razão.