2014 deixa o jornalismo esportivo mais pobre com as mortes de grandes profissionais

2014 era aguardado como um grande ano para a imprensa esportiva brasileira. Afinal, o Brasil seria o país-sede da Copa do Mundo, o centro das atenções do planeta inteiro. Caberia aos nossos jornalistas o destaque na cobertura desse grande evento. Mas o ano termina como uma sensação de perda, de empobrecimento no meio jornalístico de esportes. Perdemos nomes que deixaram marcas e espaços que nunca mais serão preenchidos. Dores que são difíceis de superar, saudades que sempre darão o tom a cada vez que lembrarmos deles.

LEIA MAIS
2014: o ano em que Minas Gerais dominou o futebol brasileiro

Luciano do Valle, que era o maior narrador poliesportivo da televisão brasileira, responsável pela introdução e crescimento de diversas modalidades no país, como o vôlei, que hoje tem o Brasil como superpotência, não narrou a Copa do Mundo. Um infarto durante o voo que levava o locutor a Uberlândia, onde faria a abertura do Campeonato Brasileiro, acabou vitimando de maneira fatal a voz dos principais momentos esportivos brasileiros dos anos 1970 até 2014.

Não fosse “apenas” seu trabalho como empresário, incentivador do esporte, Luciano deu voz, vida e emoção a um título mundial da seleção brasileira, em 1994, dois títulos mundiais do Corinthians, em 2000 e 2012, dois do São Paulo, em 1992 e 1993, várias Libertadores dos clubes brasileiros, esteve em diversas Copas do Mundo e Olimpíadas.

Foi também o nome que mais alavancou o futebol feminino, mesmo em um país que não valoriza e olha com carinho para essa modalidade. De forma merecida, foi homenageado durante o Torneio Internacional de Brasília, em dezembro, quando o Brasil venceu mais uma edição do torneio. Com Luciano do Valle, foi embora a voz da Fórmula Indy, da Fórmula 1 das antigas na TV Globo. A voz do basquete, do princípio da NBA no Brasil, ao lado do grande Álvaro José. A locução esportiva não é, nem será mais a mesma.

Mal havíamos superado o baque da perda de Luciano, e um nome ainda promissor, mas já um jovem consagrado da narração, morreu de forma precoce. Maurício Torres, da Rede Record, narrador titular da emissora na transmissão exclusiva em TV aberta dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, e dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em 2011, morreu vítima de uma infecção no coração no dia 31 de maio, um mês após ser internado depois de passar mal em um avião.

Maurício Torres ficou conhecido nacionalmente no SporTV e, depois, na TV Globo. Narrou conquistas importantes, como a Liga Mundial de Vôlei de 2001, título que abriu a série de conquistas daquele ciclo praticamente perfeito comandado por Bernardinho na seleção brasileira. Se mudou para a Record em 2005, e anos depois se consolidou como principal narrador da casa, além de apresentador do Esporte Fantástico. Seria a principal voz do Pan de Toronto, no ano que vem. Nos deixou aos 43 anos.

Em julho, no meio da Copa do Mundo, foi a vez de um dos principais comentaristas da televisão brasileira entristecer seus fãs com sua partida. O médico, narrador, comentarista, corintiano fanático e polêmico Osmar de Oliveira morreu também vítima de infarto, aos 71 anos, sendo mais uma perda da Band na Copa do Mundo, e da imprensa esportiva para sempre.

No último dia 25 de outubro, um dos maiores nomes da imprensa, criador da Bola de Prata da Placar, diretor de programas esportivos na televisão, repórter das antigas e gênio das palavras, Michel Laurence, morreu aos 76 anos de idade, após uma longa batalha por sua saúde, mas vencido por uma infecção generalizada após complicações de uma cirurgia no braço.

Já no fim do ano, Roberto Porto, jornalista carioca e fanático torcedor do Botafogo, morreu aos 74 anos. Pai do narrador Roby Porto, ele participava do programa Loucos Por Futebol, na ESPN Brasil. Sua carreira foi marcada por passagens pelos principais jornais do Rio de Janeiro, como O Globo, Jornal do Brasil e Jornal dos Sports.

2014 teve ainda a morte de um ex-jogador que poderia ter sido um grande comentarista. Fernandão, ídolo do Internacional, morreu aos 36 anos em um acidente de helicóptero em Goiás, no dia 7 de junho, quando se preparava para comentar a Copa do Mundo pelo SporTV.



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.