Opinião: FPF dá aula de como não organizar um torneio de futebol durante a Copinha

Começou no último sábado a Copa São Paulo de Futebol Júnior, o mais tradicional torneio juvenil do futebol brasileiro. 104 times vão brigar pelo título até o dia 25 de janeiro. E pra variar, a Federação Paulista de Futebol continua dando aulas de como não organizar uma competição.

LEIA MAIS:
Opinião: Federação estraga Copinha de novo com mais de 100 clubes

O jogo entre Grêmio Barueri e Rio Branco-AC, válido pela primeira rodada, começou com 40 minutos de atraso, na tarde de domingo. Motivo: ausência de ambulância na moderna Arena Barueri. O problema afetou o principal jogo da noite entre Corinthians e Guaicurus-MS que teve transmissão da Rede Vida, Sportv e ESPN Brasil.

É inadmissível que isso ainda ocorra em pleno século XXI durante torneio que é exibido para todo o Brasil e outros países.

Não dá para esperar muito de uma entidade que infla o torneio com absurdos 104 times e os coloca para jogar em estádios, que em muitas vezes, não oferecem as mínimas condições de estrutura. As emissoras de TV também sofrem com isso. Durante Santos x Penapolense, em Lins, o telespectador teve muitas dificuldades em acompanhar o jogo. As fortes chuvas atingiram as câmeras, que ficam totalmente descobertas no estádio Gilberto Siqueira Lopes. As gotas d’água eram perfeitamente vistas. Já ver os jogadores correndo atrás da bola….

Outro problema já apontado pelo colega Allan Simon é a entidade permitir a presença de times montados por empresários apenas para a disputa da Copinha. Muitos jogadores acabam se conhecendo apenas semanas antes do início da competição, o que acaba afetando a qualidade técnica do espetáculo. A fase de grupos é torturante para quem aprecia bom futebol. Jogos ruins, festival de passes errados e erros absurdos de finalização. O panorama melhora a partir do mata-mata, quando os times de aluguel são eliminados.

Enquanto a turma de Marco Polo Del Nero estiver no comando da FPF, não consigo imaginar melhorias para a Copinha nos próximos anos. A várzea continuará…



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)