Boschilia, Gabriel Jesus e Judivan são destaques em convocação da seleção sub-20

Douglas Magno/Globoesporte.com

Mesmo reunido com o grupo olímpico para dois amistosos preparatórios, o técnico Alexandre Gallo elaborou uma lista de convocados da equipe sub-20, que disputará torneio amistoso na Áustria. O torneio disputado entre os dias 10 e 16 de abril será um dos últimos testes do treinador brasileiro antes do Mundial da categoria, que acontece entre 30 de maio e 20 de junho. Dentre os convocados, destaques para a volta do meia Boschilia, e das presenças dos atacantes Judivan e do xodó da torcida palmeirense Gabriel Jesus.

Nos dias 10, 13 e 16 do próximo mês, a seleção sub-20 terá como adversários Camarões, Qatar e Honduras, respectivamente, jogando o primeiro e o último confronto na cidade de Pasching – contra os catarianos o duelo será em Salzburg. Dos três rivais, apenas os africanos não estarão na Copa do Mundo neste ano. O Qatar, campeão da AFC Sub-19, está no grupo C, ao lado de Senegal, Portugal e Colômbia, enquanto os hondurenhos integraram a chave F, junto a Alemanha, Uzbequistão e Fiji. O Brasil, por sua vez, enfrentará Nigéria, Hungria e Coréia do Norte pelo grupo E.

LEIA TAMBÉM:
Estatísticas, o craque e a seleção dos melhores do Sul-Americano Sub-20
Buscando goleiro e ‘camisa 9’, seleção olímpica ganha corpo nas mãos de Gallo

Integralmente modificado em relação ao elenco que não foi bem no Sul-Americano, em fevereiro, os 20 nomes que irão ao Velho Continente têm, provavelmente, a última chance de mostrar a Gallo que podem estar no Mundial. Criticado pelo desempenho e postura do time sub-20 no torneio continental, ele busca peças que acrescentem à uma geração promissora e talentosa, mas que ainda não rendeu o esperado. Pra isso, mesclou nomes de confiança, trouxe de volta outros para dar-lhes nova chance, e premiou quem está em boa fase pelos clubes – seja na base ou já nos profissionais. Em linhas gerais, o mais que válido ensaio promovido pelo comandante foi correto, apesar do equívoco em alguns nomes.

Fruto de expectativa pela comissão técnica por ser o único goleiro com idade olímpica (incluindo os 93-94) a jogar com regularidade pelos profissionais, Jean terá novo período para convencer de que é opção real para ambas as categorias, sendo provável que vá ao Mundial e, inclusive, brigue pela titularidade com Marcos. Também integrante do time sub-23 e agora do sub-20, David parece agradar, e deve entrar na disputa com Georgemy e o Lucas Perri – mais novo e com idade para o outro ciclo sub-20 – pelo terceiro posto. Dentre as ausências, vale citar Rodolfo, do Atlético-MG, um dos melhores goleiros da Copa São Paulo, além de Léo Jardim (Grêmio) e Gabriel Félix (Vasco), este nunca convocado.

Com muito prestígio com o treinador brasileiro, o agora titular do Atlético Goianiense Mateus Muller tem boas chances de tirar Caju ou Lorran do Mundial. Mas é Jorge, porém, que gera mais esperança. Habilidoso e extremamente técnico, ele era pedido por muitos na seleção e recebe a chance com justiça para assumir a camisa 6. No flanco direito, Jéferson também é conhecido de Gallo, com quem esteve na seleção sub-17, em 2013. Ele e o novato Rodrigo Ramos, de boa Copinha pelo Coritiba, claramente são alternativas a Auro, que perdeu crédito na seleção. Como opções, há ainda o bom Willian Asevedo, do Internacional, e para a esquerda Léo Pelé, do Fluminense.

Setor mais elogiado e abundante da geração sub-20 brasileira, a zaga deve sofrer poucas mudanças, mas dois nomes têm potencial para entrar no grupo. Vice-campeão da Copa do Brasil Sub-20 no ano passado, Vinícius – ou ‘Luís Vinícius’ – mostrou técnica e liderança que o credenciam a forte concorrente de Eduardo e Nathan Cardoso. Outro que merece atenção é Bruno Viana, de bom futebol no último Brasileiro Sub-20. Surpresa contestável dentre os defensores, Hugo era volante no sub-15 e agora tem como trunfos a liderança e o posicionamento – pesam contra a lentidão e a disputa interna com Lucão. Fechando o setor, o muito alto (1,95m) Iago Maidana acumula mais de 15 jogos como titular no profissional

Zona mais carente do time que foi ao Uruguai, o meio-campo tem apenas dois volantes. Capitão da seleção até ser cortado do Sul-Americano por lesão, Matheus Biteco deve recuperar seu espaço. Já Alef saiu de atuações irregulares pela Ponte para atuar na base do Olympique de Marseille. Volante de mais saída e passe qualificado, ele é comparado a Casemiro. Frustram muito, no entanto, o esquecimento ao corintiano Marciel, ao são-paulino Gustavo Hebling e ao santista Fernando Medeiros. Ikaro, do Fluminense, outro bom nome faltante, está machucado. As escolhas para a posição não parecem ter sido as melhores, haja visto a necessidade de arejar as características no setor.

Capaz de atuar em diversas funções no meio, Andreas Pereira volta à seleção brasileira com a chance de provar pra Gallo e pra si mesmo que fez a escolha correta – ele já havia defendido a Bélgica. Mais um com nova chance, Gabriel Boschilia foi cortado de forma incompreensível do time 4º colocado na América do Sul, mas vive sua melhor fase no São Paulo e está em plena ascensão. Ele e Gérson devem ser responsáveis pela função no Mundial, muito por conta da má fase de Nathan – em imbróglio com o Atlético Paranaense – e do santista Serginho atuar pouco nesta temporada. Rômulo, do Bahia, é ausência sentida.

No ataque, mais surpresas, positivas e negativas. Considerado o melhor jogador da Copa do Brasil Sub-17, em 2013, e destaque da seleção juvenil no mesmo ano, Caio Rangel se aventurou na Itália e ainda não desencantou. Com Zeman de volta ao Cagliari, voltou a ter minutos, e seu reconhecível potencial justifica a lembrança de Gallo. Junto a Ewandro, ainda se soltando no São Paulo, e Judivan (foto), em boa fase no Cruzeiro, eles são ameaças reais a Malcom e, principalmente, Yuri Mamute – Kenedy e Marcos Guilherme parecem garantidos. Carlos, também cortado do Uruguai por lesão, tem grandes chances de perder espaço. Robert, do Flu, Cassini, do Corinthians, e Alisson Farias, do Inter, merecem a lembrança.

Dos três nomes postulantes à camisa 9, apenas um deve incomodar na posição que tem Thalles e Gabigol como referências. Mesmo com diversas chances pelo Criciúma, Bruno Lopes ainda não convenceu. No ano passado, foram 27 jogos e nenhum gol. Em 2015, 13 partidas e três gols anotados. Já o hispano-brasileiro Jean Carlos não foi bem nos jogos da Youth League Sub-19, a Champions da base: em três jogos, não marcou nenhuma vez. Nesse cenário, o caçula e ascendente Gabriel Jesus tende a cavar chance, ao menos, no torneio na Áustria. Como ponto negativo, a falta na lista de Bruno Gomes, do Internacional.

Veja abaixo a lista de 20 convocados da seleção brasileira sub-20:

Goleiros: David (95 – Criciúma) e Jean (95 – Bahia);

Laterais: Jéferson (96 – Ponte Preta), Rodrigo Ramos (95 – Coritiba), Jorge (96 – Flamengo) e Mateus Muller (95 – Atlético Goianiense);

Zagueiros: Bruno Viana (95 – Cruzeiro), Hugo Gomes (95 – São Paulo), Iago (96 – Criciúma) e Luís Vinícius (95 – Vitória);

Meio-campo: Alef (95 – Olympique Marseille/FRA), Andreas Pereira (96 – Manchester United/ING), Caio Rangel (96 – Cagliari/ITA), Gabriel Boschilia (96 – São Paulo) e Matheus Biteco (95 – Grêmio);

Atacantes: Bruno Lopes (95 – Criciúma), Ewandro (96 – São Paulo), Gabriel Jesus (97 – Palmeiras), Jean Carlos Rocha (96 – Real Madrid/ESP) e Judivan (95 – Cruzeiro).

(Foto: Douglas Magno/Globoesporte.com)



Jornalista formado pela Fiam-Faam (2016), começou a acompanhar futebol de base a partir de 2007. Colaborou para o site Olheiros.net, foi setorista do Jornal Guarulhos Hoje e trabalhou na Press FC Assessoria e na Revista Palmeiras. Escreve para o Torcedores.com desde 2015.