Atletas do MMA já foram de outras modalidades no passado; relembre

Cada vez mais famoso e em alta por causa de eventos como UFC, Bellator, entre outros, o MMA atrai lutadores das mais diversas modalidades. O esporte, por si só, é uma junção de vários tipos de lutas. O próprio significado da sigla (do inglês “mixed martial arts”, ou artes marciais mistas) já entrega que o MMA não é uma arte marcial propriamente dita.

LEIA MAIS
“Mulheres não deveriam lutar”, diz Fedor Emelianenko, lenda do MMA

Por isso, as origens dos lutadores são as mais diversas. Normalmente, a fórmula é bem semelhante: atletas com alguma formação em uma luta em pé (como boxe, muay thai e taekwondo) buscam se aperfeiçoar nas outras áreas. Lutadores de chão (jiu-jitsu e submission) procuraram se especializar nas artes que dão ênfase na trocação. E quem vem de lutas que focam mais em projeções (judô e wrestling) tentam ficar nivelados nas outras áreas para serem competitivos no MMA.

Embora muitos lutadores de MMA não terem sido atletas de alto nível em outros esportes, alguns se destacaram e chegaram a conseguir medalhas em Jogos Olímpicos. Confira oito lutadores que se destacaram em outras modalidades antes de se lançarem no MMA:

1) Ronda Rousey (judô)

A campeã do peso galo (61kg) do UFC começou no judô. E antes de se tornar um fenômeno nas artes marciais mistas, Ronda (foto) foi judoca de nível olímpico. A americana foi medalha de bronze nos Jogos de Pequim, em 2008, e ouro no Pan-Americano do Rio de Janeiro, em 2007. Em ambas as competições, Ronda competia na categoria até 70kg.

2) Rodrigo Minotauro (jiu-jitsu)

O ex-campeão do Pride e do UFC têm como pontos fortes em seu jogo o boxe e, principalmente, o jiu-jitsu. E o “Big Nog” foi competidor da arte suave. Abaixo, ele enfrenta (e perde) para Roberto Magalhães, o “Roleta”, na semifinal do Campeonato Mundial de Jiu-Jitsu de 1999 da categoria absoluto. Minotauro ficou com o bronze; Roleta, com a prata.

3) Lyoto Machida (caratê)

O “Dragão” foi campeão dos meio-pesados (93kg) do UFC, mas toda a sua base de lutas veio do caratê, arte marcial que pratica desde criança. Em 2000, Lyoto vestiu o quimono novamente e participou do Campeonato Mundial disputado no Japão.

4) Vitor Belfort (boxe)

O “Fenômeno” é faixa preta de jiu-jitsu pelas mãos do lendário Carlson Gracie. Mas também se aventurou no boxe profissional. Belfort, que disputará o cinturão dos pesos médios (84kg) do UFC contra Chris Weidman no dia 23 de maio, fez apenas um combate profissional de boxe. E se deu bem: nocauteou Josemario Neves, em 2006.

5) Anderson Silva (muay thai)

A maior virtude do estilo de luta de Anderson Silva é o muay thai, que começou a treinar ainda garoto em Curitiba. E o “Aranha” competiu muito tempo no boxe tailandês antes de iniciar no MMA, onde demonstrava o mesmo instinto “matador” que lhe deu fama no octógono.

6) Anthony Pettis (taekwondo)

 

O campeão dos pesos leves (70kg) do UFC é conhecido pelos chutes “diferentes” que aplica nos adversários. E não é para menos. “Showtime” , que encara o brasileiro Rafael dos Anjos neste fim de semana, é faixa preta de taekwondo, arte marcial corena que enfatiza os chutes.

7) Daniel Cormier (wrestling)

O americano tem, para muita gente, o melhor jogo de wrestling adapatado ao MMA. Por muitos anos, “DC” competiu na luta-livre, tendo disputado os Jogos Olímpicos de 2004, em Atenas, em conquistado a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, em 2003. Seria o capitão da seleção americana na Olimpíada de Pequim, mas não pode competir porque passou mal ao cortar o peso.

8) Fedor Emelianenko (sambo)

O “Último Imperador” fez história no Pride, mas ele também foi um lutador de sambo, espécie de luta-livre muito praticada na Rússia. Tem diversos títulos mundiais na modalidade.



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.