Judô Grand Masters: Organize-se!!!

Grand Masters

Como foi escrito no primeiro artigo publicado por este autor no site, para que o país atinja seu objetivo de tornar o grand masters do Brasil o número 1 do mundo, é necessário que cada atleta individualmente faça a preparação adequada para poder ter uma performance excelente e assim obter a sua medalha.

A soma das medalhas individuais irá permitir que o Brasil passe do atual quarto lugar entre os grand masters do mundo para a sonhada primeira colocação. E não se engane quem pensa que uma eventual primeira colocação em um campeonato no Brasil é sinônimo de meta atingida, pois esse evento contará certamente com um número alto de atletas brasileiros e poucos dos campeões europeus e asiáticos virão até aqui em função dos altos custos envolvidos.

O Brasil precisa vencer o mundial e terá que vencer no ano seguinte para demonstrar o sucesso do trabalho desenvolvido por todos os praticantes e pela GMJB (Assoxiação de Grand Masters e Kodanshas de Judô do Brasil, entidade que fomenta o judô masters e o kata brasileiro).

Para que cada um possa obter sua performance máxima, foram elencados três pontos fundamentais: organização, preparação e concentração. Nesse artigo o destaque será para organização. Quem acompanha o judô grand masters observou que organização nunca foi o forte da categoria e em anos passados houve uma série de “cabeçadas” que deixaram a coisa ainda pior.

Pode-se destacar as sucessivas mudanças de data do campeonato mundial, as mudanças de data do campeonato brasileiro (que foi finalmente agendado para o mesmo final de semana do sulamericano), o fato do sulamericano ocorrer após o mundial em função do anteriormente exposto…enfim o planejamento fraco dos dirigentes tornou ainda mais difícil que cada atleta tenha a preparação ideal para o Mundial. Frente a esse cenário, recomendo que os atletas que enfrentarão essa batalha tomem os seguintes cuidados para poderem ter a melhor performance possível:

1. Calendário: Revejam o calendário mais atualizado disponível e programem a participação no maior número de competições possível, de forma a pegar o ritmo e a adrenalina necessária para ter uma boa atuação em uma competição de alto nível. Com todas as revisões do calendário, chequem as datas mais atualizadas e programem dias de férias que serão necessários para que sua presença esteja garantida. Recomendo que façam as reservas de passagens aéreas e hotéis com a maior antecedência que puderem, assim os custos ficarão muito menores;

2. Regulamento: Principalmente para àqueles que ainda não competiram esse ano, vale a pena consultar as regras mais atualizadas do judô, para que ninguém seja pego desprevenido. Desde as dimensões do judogi, o local de colocação dos patches, até quais técnicas podem ser aplicadas e quais foram proibidas. Em anos recentes as regras do judô sofreram uma verdadeira revolução e não vale a pena desperdiçar toda uma preparação pelo desconhecimento das mudanças que ocorreram;

3. Competidores: Ao analisar os resultados das competições oficiais de grand masters que ocorreram em anos recentes, fica claro que cada categoria possui o seu top 10, que são aqueles atletas que estão sempre competindo e conquistando medalhas em cada categoria. Consulte os resultados, selecione quem serão os seus principais oponentes e utilize o youtube para conhece-los. Há tempo e recursos suficientes para preparar um plano de batalha adequado a cada um dos atletas que você vai enfrentar.

4. Inscrições: Não deixe nada, mas nada para última hora. Faça as inscrições tão logo isso seja possível. Muitas vezes o pagamento e o envio de dados deve ser feito pela internet e já observei em muitas competições passadas atletas que acharam que estava tudo OK e foram surpreendidos pois não souberam realizar os trâmites burocráticos no tempo e da forma mais adequada. Uma vez realizada a inscrição, acompanhe as confirmações on-line também.

Muito mais pode ser dito sobre como se organizar para o Mundial e para as demais competições grand masters que ainda vão ocorrer em 2015 (e nos anos que virão), mas espero que essas quatro dicas sejam úteis para aqueles que planejam competir no brasileiro, Pan-Americanos, Sul-Americano e mundial que irão ocorrer no segundo semestre.

Vale ressaltar que todos esses pontos de atenção valem também para aqueles que competem no kata – infelizmente esses problemas acontecem também nas competições de kata e são até agravados coma decisão tomada esse ano de que as competições de kata não ocorram nas mesmas datas que as competições de grand masters.

Não só porque sempre ocorreram juntas, mas também porque não houve uma explicação nem um destaque para essa alteração e porque muitos atletas que competem no grand masters também competem no kata. Mas, se maior é a adversidade, maior ainda deve ser a organização.

Vamos trabalhar duro para atingir as metas da comunidade grand masters. Isso irá com certeza gerar a satisfação individual e coletiva do dever cumprido e também fornecerá um benefício para toda a sociedade que é ter uma geração madura e atualizada à frente do judô brasileiro, dando melhores orientações e incentivos e servindo como exemplo para os novos praticantes e simpatizantes do judô, que a seu tempo conquistarão grandes vitórias para o Brasil e servirão com exemplos para outras gerações, num genuíno círculo virtuoso.

Foto: Getty Images



Formado em administração pública, pós-graduado em administração e filosofia, possui MBA e mestrado. É co-autor de “Esportismo: valores do esporte para a alta performance pessoal e profissional” e “Uruwashi – O Espírito do Judô”, entre outros. Kodansha 6º DAN, campeão pan-americano, 4Xs sul-americano, 4Xs brasileiro, 3xs paulista, todos na classe grand masters.