Martina Hingis já é a número 5 do mundo, sonha com 2016 e não descarta jogos de simples

Martina Hingis

Quando largou o tênis profissional pela segunda vez, em 2007, a suíça Martina Hingis havia acabado de ser pega no exame antidoping por uso de cocaína. O terceiro recomeço da ex-número 1 no circuito tem sido sem polêmicas e títulos nas duplas. Agora, nessa fase mais zen, a veterana de 34 anos ocupa as manchetes por ter um sonho: fazer dupla com o compatriota Roger Federer nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.

LEIA MAIS

Melo e Soares vencem mais uma e estão nas quartas de Miami

Desde que voltou a jogar torneios da WTA, há quase dois anos, Hingis se concentrou nas duplas. Fez parceria com a eslovaca Daniela Hantuchova, depois com a alemã Sabine Lisicki e com a italiana Flavia Pennetta na sequência, quando decolou de novo no ranking e entrou no top 10. As duas inclusive chegaram à final do US Open. A 16ª conquista de Grand Slam veio no Aberto da Austrália ao lado do indiano Leander Paes nas duplas mistas.

Em fevereiro, Pennetta decidiu romper a parceria com a suíça porque não estava conseguindo dar conta das simples e duplas ao mesmo tempo, e Hingis se juntou à indiana Sania Mirza. O entrosamento não foi problema, as duas já foram campeãs em Indian Wells e a veterana pulou para a quinta posição no ranking de duplas.

Nesta semana, em Miami, a ex-número 1 tem a chance de chegar ao 43º título em duplas e igualar o número de troféus de campeã nas simples. Essa última volta às quadras fez com que ela ultrapasse os 20 milhões de dólares em premiações.

Para o futuro, Martina Hingis não descarta voltar a jogar simples. “Por agora não planejo, ainda que é possível que eu jogue a Fed Cup com a Suíça”, revelou, em entrevista ao AS, da Espanha.

Porém, o grande sonho de Martina Hingis é reeditar parceria com o compatriota Roger Federer nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. Seria a volta dela aos Jogos Olímpicos após 20 anos.

“Ela (Hingis) me fez um convite e eu disse que iria pensar nisso. O problema é que que não sei como vou conseguir jogar simples, duplas masculina e mista durante um período de oito dias. Seria algo como 15 jogos em oito dias”, explicou Federer, que sequer confirmou a presença no Rio de Janeiro.

Foto: Yonex



Jornalista desde 2008, é um estudioso do esporte e se orgulha por ter participado da cobertura de duas Olimpíadas: na Folha e no iG. Fecha o caderno de esportes do jornal ABCD MAIOR, que fica na Região do ABC Paulista