Palmeiras defende invencibilidade em casa contra o São Paulo

Palmeiras

Contra o Palmeiras, o São Paulo detém as melhores marcas nos confrontos diretos diante do time Alviverde. Ao longo da história do duelo, iniciada em 1930, foram 305 duelos registrados, com 106 vitórias são-paulinas, 98 palestrinas e 101 empates. Mas no estádio Palestra Itália, remodelado e casa da partida desta quarta-feira (25), a vantagem é palmeirense. São 19 triunfos do Verdão contra 12 do arquirrival em 43 jogos.

LEIA MAIS:
As curiosidades do Choque-Rei: O histórico confronto entre Palmeiras e São Paulo
Pelo menos na Libertadores, o Palestra Itália é todo Tricolor
Palmeiras monitora jogador do São Paulo, diz jornalista

Nos últimos encontros entre os clubes, a casa palmeirense parece favorecer o seu mandante. Excluindo o tempo que o estádio ficou fechado para o surgimento do Allianz Parque, a partir do final do primeiro semestre de 2010, são quase oito anos de invencibilidade do Palmeiras no local.

Desde a vitória são-paulina por 1 a 0 pelo Campeonato Brasileiro de 2007, no entanto, foram apenas quatro partidas realizadas, com duas vitórias e dois empates. A fase sem derrotas para o rival começou nas semifinais do Campeonato Paulista do ano seguinte. Depois de perder no Morumbi por 2 a 1, o Palmeiras precisava de uma vitória simples no Parque Antarctica para eliminar o oponente e chegar à decisão.

Como deve ser, o clássico foi repleto de polêmicas, com direito a gás de pimenta (leia mais), queda de energia e falha de Rogério Ceni, em chute de Léo Lima de fora da área. No fim da segunda etapa, Valdívia escorou para o gol vazio para assegurar o 2 a 0. Ainda deu tempo do chileno provocar o capitão são-paulino e levar um empurrão de Miranda. A partida ainda rendeu as expulsões de Martinez e André Dias.

No segundo semestre, os times brigavam pela conquista do Campeonato Brasileiro. O vencedor poderia tirar a folga do Grêmio na liderança do nacional. O Verdão estava dois pontos atrás, com 54, enquanto que o Tricolor vinha logo atrás, com 52 pontos. E o duelo já começou quente, com o árbitro Sálvio Spínola resolveu expulsar Diego Souza e Borges aos sete minutos de partida, logo após o gol de pênalti marcado por Rogério Ceni. Antes do fim do primeiro tempo, Dagoberto fez linda jogada e ampliou para os visitantes. O Palmeiras martelou na segunda metade, mas só conseguiu descontar aos 33 minutos, com Kleber Gladiador, se jogando na bola para marcar. Na base do abafa, o empate veio dois minutos depois, com gol de falta de Leandro. O resultado acabou sendo pior para os palestrinos, que perderam força na reta final e viram o rival levar o tricampeonato brasileiro de forma consecutiva.

No Brasileirão de 2009, mais uma vez as equipes estavam na parte de cima da tabela. O Palmeiras, ainda com Vanderlei Luxemburgo, recebeu os comandados de Muricy Ramalho na terceira rodada do primeiro turno. Ao contrário dos últimos duelos, a partida não teve atrativos melhores que as expulsões de Maurício Ramos e Richarlyson e o 0 a 0 foi determinante naquela tarde.

Os gols voltaram no Paulistão do ano seguinte. E neste último jogo entre as equipe no estádio Palestra Itália, um centroavante cravou seu nome na história do Choque-Rei. Com dois gols de cabeça, Robert aniquilou a defesa adversária e foi o grande responsável pelo placar de 2 a 0 para o Palmeiras, com mais um jogador excluído: Xandão, contabilizando sete atletas expulsos nessas quatro partidas.

Às 22h desta quinta-feira (25), 28 jogadores terão a possibilidade de registrar seus nomes na rica história do Choque-Rei, seja de forma positiva ou negativa. E no fim, quem vence é a memória do futebol.



Redação do Torcedores.com