GP do Catar de MotoGP que panela velha é que faz comida boa

Piloto
Foto: Getty Images

Foram quatro meses de espera e enfim na luxuosa pista do Catar a MotoGP deu início a sua temporada de 2015. O grid da estreia foi bastante estranho: Dovizioso na pole, Pedrosa em segundo, Marquez em terceiro, Lorenzo em sexto e Valentino Rossi apenas em oitavo.

LEIA MAIS
Sem Galvão e convidados, Globo volta a fazer transmissão tradicional da F1
Opinião: Ecos pós GP da Malásia

Se fossemos analisar esse grid ano passado pensaríamos: A Ducati não vai aguentar a pressão, Marquez vai assumir a primeira posição e sumir e a disputa pelos lugares restantes do pódio ficará entre Lorenzo, Rossi e Pedrosa. Mas o que se viu hoje foge da lógica de 2014 e nos enche de expectativa para essa nova temporada que começa.

Ao apagar das luzes vermelhas teve início a temporada de 2015 da MotoGP. As Hondas se enrolaram e perderam posições, Marquez caiu para último, Lorenzo pulou para segundo e Rossi caiu para o décimo posto. Dovizioso manteve a ponta.

Estabelecidas posições, teve início o show. No pelotão da frente Dovizioso e Lorenzo se alternavam na primeira posição seguidos de perto pela Ducati de Iannone. Um pouco mais atrás, Rossi vinha ganhando posições e após poucas voltas, o multicampeão se instalara no 4º lugar e iniciava sua caça aos primeiros colocados, quem escalava todo pelotão era Marquez ganhando posições de forma rápida e eficaz.

Exatamente na metade da prova, 11ª volta, Rossi ultrapassou Iannone, assumiu de vez o terceiro posto e deu início a caça aos líderes, também no 11º giro, Marquez alcançou o companheiro de equipe, Pedrosa, e sem qualquer dificuldade o superou, assumindo assim a 5ª posição.

A emoção só aumentou, Valentino passou a andar perto dos líderes, e Marquez não conseguia reduzir os 4s que o separava dos quatro primeiros. Na parte de curvas do circuito as Yamahas andavam melhor, porém na reta principal o motor Ducatti falava muito mais alto alcançado a velocidade de quase 350 km/h.

Na 16ª volta, Rossi decidiu que queria subir mais alto no pódio e se lançou ao ataque ao também italiano Dovizioso, que resolveu atacar Lorenzo como forma de se defender de Rossi e assumiu a ponta da corrida.

Pouco depois, Rossi ultrapassou seu companheiro de equipe e assumiu a segunda posição: a briga pela vitoria seria italiana.

Na 18ª volta Rossi enfim assumiu a liderança, mas Dovizioso conseguiu dar o troco e reassumir a ponta logo em seguida. Um pouco mais atrás, Iannone conseguiu superar Lorenzo e assumir a terceira posição. Na volta seguinte Rossi se lançou ao ataque e mais uma vez assumiu a ponta, porém, na reta principal a Ducati de Dovizioso falou mais alto e deixou a Yamaha do multicampeão para trás.

Mesmo apanhando na reta, Valentino não desistiu, e reassumiu a liderança a duas voltas do fim. Rossi se impôs na parte mais travada do circuito e conseguiu abrir certa vantagem, assim, o Doutor abriu a última na frente, mesmo com a moto rendendo mais em reta, Dovizioso não conseguiu superar o eneacampeão.

Valentino Rossi venceu a primeira corrida do ano de forma brilhante e excepcional, completamente no braço, mostrando por que é conhecido como “O Doutor”. Dovizioso e Iannone completaram o pódio, totalmente italiano, Lorenzo foi o 4º quarto colocado e o atual bicampeão, Marquez, terminou em quinto com cara de poucos amigos.

A Itália chegou a 88 vitórias na classe rainha do mundial de motovelocidade, dessas, 70 pertencem a Valentino Rossi.

Em sua 20ª temporada na Classe principal do mundial de motovelocidade, Rossi mostrou que ainda tem muita lenha pra queimar e provou (mais uma vez) para todo o mundo que panela velha é que faz comida boa.

A primeira corrida mostrou que a Ducati vem para incomodar Honda e Yamaha, e que o campeonato será disputado volta a volta até o fim, hoje teoricamente há seis pilotos disputando o título.

A próxima etapa ocorre no dia 12 de Abril em Austin, nos EUA onde em corridas passadas a Honda já mostrou que anda bem, com a evolução de Ducati e Yamaha a corrida tem tudo para ser emocionante.

Crédito da foto: Getty Images



Serranegrense de 26 anos. Diferente da maioria dos escritores,não sou jornalista formado, e sim cientista, detalhe esse que não diminui minha paixão pela escrita automobilística. Apaixonado por esportes à motor desde criança, se há corrida passando na TV, paro pra assistir independente do que tenho pra fazer. F1, F-Indy, Motogp, Stock Car, Formula-E.