Opinião: Arbitragem no Brasil continua comprometendo

Ricardo Marques Ribeiro será o árbitro de Palmeiras x Sport
Foto: Getty Images

As más atuações da arbitragem continuam sendo extremamente insatisfatórias pelos campos do Brasil afora. Sempre com sua capacidade questionada, os árbitros deram mais uma vez um show de marcações errôneas nesse fim de semana, nas rodadas dos estaduais.

LEIA MAIS
Depois de ouvir a FIFA, Federação suspende patrocínio dos árbitros

No último sábado, a arbitragem começou a influenciar nos resultados das partidas no jogo entre Corinthians e Ponte Preta, no qual o bandeirinha Vicente Romano Neto marcou erroneamente um impedimento de Renato Cajá, meia da Ponte, que marcou um gol após rebote do goleiro Cássio. Quando anulado o gol, a partida ainda permanecia no 0 a 0, e acabou terminando 1 a 0 para o alvinegro da capital.

No domingo, a arbitragem também foi muito questionada no jogo entre Palmeiras e Botafogo-SP, também pelo Paulistão. A polêmica já começou antes do apito inicial, com a Federação Paulista de Futebol anunciando que a arbitragem seria patrocinada pela Crefisa, mesma patrocinadora do Palmeiras. Tal decisão da FPF gerou um grande desconforto, afinal a decisão implicaria em uma série de dúvidas sobre a idoneidade da arbitragem, a favor ou contra o clube alviverde.

Nos noventa minutos, o panorama foi prejudicial para o Palmeiras. Com dois pênaltis não marcados, e uma não-expulsão muito questionada, a arbitragem poderia ter mudado o resultado da partida, que terminou 1 a 0 para o clube da capital.

No Rio, a polêmica ocorreu no clássico entre Flamengo e Vasco. Jonas, volante do Fla, deu uma entrada duríssima em Gilberto, atacante do Vasco, e recebeu apenas um cartão amarelo do árbitro João Batista de Arruda, causando revolta por parte dos jogadores rubro-negros.

Em Minas, no também clássico entre Atlético e Cruzeiro, Raphael Claus foi questionado pelo excesso de cartões – em quinze minutos, o árbitro aplicou quatro cartões amarelos, além de uma posterior expulsão de Leonardo Silva.

Outras polêmicas também ocorreram no Sul e no Nordeste, com o Coritiba reclamando uma não marcação de pênalti em Negueba, e o Sport reclamando o inverso, um pênalti marcado para o Bahia no fim da partida.

Após tantas reclamações, as federações de São Paulo e Rio se comprometeram em tomar medidas cabíveis.

Foto: Getty Images



Estudante de Jornalismo na Universidade São Judas Tadeu. Amante do futebol, apaixonado por futebol americano e interessado pela antropologia esportiva.