Bellucci está com azar em 2015 e já “perde” antes de entrar em quadra; Entenda

Marcelo Ferrelli/ Inovafoto

Cinco vitórias em quatro meses. Os números mostram que o ano do brasileiro Thomaz Bellucci não tem sido bom, mas a história poderia ser diferente se ele tivesse enfrentado adversários menos difíceis.

LEIA MAIS

Há 16 anos, Monte Carlo recebeu o maior jogo entre Guga e Meligeni; Recorde

Das 11 derrotas de Bellucci em 2015, nove foram para tenistas melhores colocados no ranking da ATP. Ainda assim, as duas exceções nessa lista foram diante de rivais próximo do brasileiro – o canhoto estava apenas uma posição à frente dos algozes (Jiri Vesely e Victor Burgos).

Os dois torneios realizados no Brasil ajudam a explicar o azar do número 75 na temporada. No Brasil Open, jogado em São Paulo, foi sorteado para enfrentar logo de cara o eslovaco Martin Klizan, que ocupava a 38ª posição. O pior aconteceu na semana seguinte, no ATP 500 do Rio de Janeiro, quando enfrentou o espanhol Rafael Nadal na primeira rodada.

Quando jogou contra atletas com ranking inferior, Bellucci ganhou a maioria. Derrotou quatro oponentes, inclusive o ex-número 1 do mundo Lleyton Hewitt, que era o 107º, e perdeu duas vezes. A única vitória contra um tenista melhor ranqueado veio no Masters 1000 de Miami, onde despachou o uruguaio Pablo Cuevas, número 21 naquele instante.

Bellucci voltará às quadras no ATP 500 de Barcelona e sabe que uma boa campanha passa pela chave que terá pela frente.

Foto: Marcelo Ferrelli/ Inovafoto



Jornalista desde 2008, é um estudioso do esporte e se orgulha por ter participado da cobertura de duas Olimpíadas: na Folha e no iG. Fecha o caderno de esportes do jornal ABCD MAIOR, que fica na Região do ABC Paulista