Em baixa, Nadal chega a Monte Carlo para reeditar as regras no saibro

Desde 2005, quando a temporada de saibro chega, Rafael Nadal sempre é o tenista a ser batido. O currículo impressiona e dispensa qualquer dúvida – são 46 títulos no piso, incluindo nove em Roland Garros, o que representa um aproveitamento superior a 90%, o melhor de todos os tempos em superfícies mais lentas. Só que, em 2015, o espanhol não vem apresentando o nível que o levou ao topo do ranking da ATP e, mesmo na terra batida, os resultados estão longe do esperado.

LEIA MAIS:
Bellucci e Feijão brigam por uma vaga nos Jogos Olímpicos de 2016

Após uma temporada anterior com lesões e cirurgia, Nadal disputou seis torneios e foi campeão apenas do ATP 250 de Buenos Aires, mesmo sem empolgar no saibro argentino. No outro evento que jogou na terra batida, foi eliminado na semifinal do ATP 500 do Rio de Janeiro pelo italiano Fabio Fognini, amargando a primeira derrota em solo brasileiro na carreira. A irregularidade o fez cair para a quinta posição do ranking, a pior classificação desde 2013 e de onde o jogador não sai há 10 anos.

Na próxima quarta-feira, Nadal estreia no Masters 1000 de Monte Carlo, onde é octacampeão, e espera que sua atuação no Principado de Mônaco seja o início de uma reação no ano, pois terá que defender 3.870 pontos na gira completa pelo saibro europeu. Isso representa mais de 70% da atual pontuação do espanhol na ATP (5.255), superado por Novak Djokovic, Roger Federer, Andy Murray e Kei Nishikori.

A “sorte” de Nadal é que, como perdeu cedo em competições importantes no ano passado, terá a oportunidade para somar no ranking. Em Monte Carlo, por exemplo, o canhoto de 28 anos caiu nas quartas de final em 2014 (para David Ferrer), assim como no ATP 500 de Barcelona (para Nicolas Almagro), onde jogará na próxima semana. Se for campeão dos dois eventos, o espanhol abocanha 1.500 pontos, suficientes para alçá-lo novamente ao posto de número 3 do mundo.

Em Monte Carlo, Nadal, cabeça 3, estreia adiantado na segunda rodada contra o francês Lucas Pouille, que bateu o austríaco Dominic Thiem por 6/4 e 6/4. O pupilo de Toni Nadal tem o retrospecto incrível de 50 vitórias contra apenas três derrotas no Principado.

Curtiu essa matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.

Foto: Getty Images



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.