Opinião: Análise do GP da China de F1

Fonte: Instagram Mercedes

O despertador toca, são 02h40, faltam 20 minutos pra corrida começar, levanto todo empolgado, pego um tira-gosto, puxo a poltrona pra frente da televisão e penso: “Oba, mais uma corrida, vamos ver o que vai rolar de bom”. Pontualmente as 03h00 é dada alargada, a parte mais emocionante da corrida. A emoção termina aí, a corrida na China? Monotonia pura. Já que regras malucas são inventadas com grande frequência na F1, deviam inventar uma onde proibissem corridas monótonas quando estas forem transmitidas de madrugada no Brasil.

LEIA MAIS: Análise pós-gp: Márquez vence GP de Austin de MotoGP

A largada foi limpa, sem acidentes, As Mercedes foram embora, e levaram as Ferrari junto, Massa foi superado por Raikkonen e Bottas, mas superou o companheiro ainda na primeira volta e esses foram os seis primeiros até o final da corrida. Nasr ganhou uma posição e quem se deu mal no inicio foi Ricciardo, que perdeu muitas posições e se divertiu para recuperá-las durante a corrida.

Ao término da primeira volta os dez primeiros eram: Hamilton, Rosberg, Vettel, Kimi, Massa, Bottas, Grosejan, Nasr, Ericcson e Maldonado.

As Lotus evoluíram e longe de acidentes (pelo menos no começo da prova) brigaram com as Sauber, a corrida seguia sem graça e a madrugada cobrava o sono. Nasr foi o primeiro a parar, em seguida começaram os pits, e para dar uma alegrada nos espectadores e telespectadores o motor (mais um) de Kvyat explodiu, inicio de incêndio, o Russo pulando para fora do carro, que ficou branco de tanta carga de extintor que recebeu, novas brigas entre Renault e o pessoal dos energéticos à vista.

A corrida ia se desenrolando devagar e quem fazia a alegria da galera eram Maldonado e Verstappen, que iam ultrapassando quem encontravam pelo caminho. Lá na frente Hamilton seguia em velocidade de cruzeiro, Rosberg não o incomodava e o pessoal de Maranello não eram páreos  para as flechas de prata. As Williams? Essas não incomodavam e também não eram incomodadas.

Na 35ª uma cena engraçada, a atração da corrida, Maldonado errou a entrada dos boxes, passou reto, sabe-se lá por qual motivo, os fiscais o avisaram, o Venezuelano deu ré e seguiu pros boxes, perdendo tudo o que havia construído na corrida, uma pena.

Na parte de trás, Ricciardo vinha passando todo mundo e na 44ª voltou à zona de pontos ao superar a Sauber de Ericsson. As McLarens sequer apareciam, assim como as Force India em uma corrida discreta. E a Manor? Não vi, pouco apareceu, pelo menos dessa vez largaram os dois carros.

Na 49ª volta um pouco de emoção, Button embutiu no vácuo de Maldonado, ao tentar superá-lo acabou tocando na traseira de sua Lotus, os dois foram parar na área de escape, mas voltaram pra pista, porém, o Venezuelano levou a pior e abandonou (de novo) pouco tempo depois.

Faltando duas voltas para bandeirada em plena reta dos boxes quem viu seu motor Renault (mais um!) ir pros ares foi Verstappen, uma pena, após linda corrida o caçula do certame abandonou o carro e pulou o muro em direção à garagem da ToroRosso e por lá ficou, bom para Nasr, que herdou mais uma posição. Safety-car acionado. Uma corrida ruim merecia um fim igual.

E durante o Safety-car uma cena cômica, os fiscais não conseguiam esterçar a ToroRosso de modo eficiente para recolher o carro e acertaram o bico do mesmo no muro algumas vezes, o publico pela primeira vez durante a corrida, foi ao delírio com as lambanças. Por fim os mecânicos da equipe foram de encontro aos fiscais, removeram o bico do carro facilitando assim sua manobra de remoção.

E para a felicidade de muitos a bandeira quadriculada decretou o término da corrida, Hamilton, Rosberg e Vettel levaram troféus para casa, só eles subiram ao pódio por enquanto na temporada, Raikkonen chegou em quarto, seguido por Massa e Bottas, fazendo o máximo que as Williams podem fazer no momento. Grosejan, Nasr, Ricciardo e Ericsson completaram a lista da galera que leva os pontos pra casa.

Mercedes mostraram que ninguém os alcançará, Ferrari vai tentar tal proeza e não vai conseguir, Williams ficará por ali, como terceira força esperando algum acidente ou quebra para subir ao pódio. Lotus, ToroRosso e RedBull virão brigando pelo resto dos pontos, e quando houver quebras ou acidentes (como na China e na Austrália) Sauber e Force India angariarão os pontos restantes, McLaren até o fim do ano conseguirá alguns pontos também, creio eu, e a Manor? Ninguém sabe ninguém viu. Uma tristeza uma equipe se arrastar dessa maneira, será que vale a pena disputar um campeonato de F1 dessa forma?

Parabéns à Hamilton, vencedor da primeira e terceira corridas. Após três etapas, posso afirmar, sem sombra de dúvidas: Será campeão e não sofrerá nem um pouco pra isso, Rosberg faz um campeonato patético, acusou o companheiro de andar mais lento como forma de prejudicar seus pneus e recebeu como resposta: Se eu estava lento por que não me passou? Só nos resta saber em que corrida o inglês erguerá o caneco.

E já no próximo final de semana o circo desembarca no Bahrein, para mais uma corrida noturna e para a alegria do povo Brasileiro que acompanha o certame, a corrida (enfim) não será de madrugada.



Serranegrense de 26 anos. Diferente da maioria dos escritores,não sou jornalista formado, e sim cientista, detalhe esse que não diminui minha paixão pela escrita automobilística. Apaixonado por esportes à motor desde criança, se há corrida passando na TV, paro pra assistir independente do que tenho pra fazer. F1, F-Indy, Motogp, Stock Car, Formula-E.