Opinião: Anderson Silva quer limpar a imagem com Olimpíada

Reprodução/Instagram

O nome de Anderson Silva nos últimos tempos se relaciona automaticamente com doping. Nem a participação do ex-campeão do UFC no reality show “The Ultimate Fighter” conseguiu desvincular a imagem do Spider com substâncias proibidas – afinal, ele foi afastado do programa justamente por conta disso. Longe dos melhores dias, o atleta, que completou nesta terça-feira (14) 40 anos, declarou recentemente que quer disputar os Jogos Olímpicos de 2016 lutando taekwondo. É, aparentemente, mais uma tentativa de limpar a imagem arranhada pela suspeita do uso de doping no UFC.

LEIA MAIS:
Anderson Silva pede para lutar taekwondo na Rio-2016, diz Confederação

Anderson deve ser julgado em maio pela Comissão Atlética de Nevada, principal órgão regulador de boxe e MMA no Estados Unidos, pelo uso de substâncias proibidas antes e depois da luta contra Nick Diaz no UFC 183, dia 31 de janeiro. O brasileiro venceu por decisão unânime, mas deve ser suspenso por, pelo menos, um ano. Na prática, o gancho deixará a possibilidade de aposentadoria praticamente encaminhada para Anderson Silva. Como ficará impossibilitado de lutar MMA durante o período de suspensão, ele terá de buscar outra coisa. E é aí que o taekwondo surge como uma luva para Anderson Silva.

O ex-campeão dos médios (84kg) do UFC é faixa preta da modalidade. A arte marcial coreana foi uma das primeiras a que ele se dedicou. Mas, segundo ele mesmo conta em sua autobiografia “Anderson Spider Silva”, ele perdeu o interesse no taekwondo ao conhecer o muay thai – este, sim, seu carro-chefe até os dias de hoje. Posteriormente, Anderson Silva também treinaria jiu-jitsu, onde, assim como no taekwondo e no muay thai, conquistou a faixa preta. Muay thai e jiu-jitsu não são modalidades olímpicas. Logo, o taekwondo voltou a ser interessante a Anderson Silva.

“Todos sabem que para um atleta de alto rendimento, os Jogos Olímpicos são o sonho de todo atleta e assim, não seria diferente comigo. Quando ganhei o título de embaixador do esporte pelo Presidente Carlos Fernandes, esse sentimento passou a ficar ainda mais forte e, sendo em meu país, esse espírito olímpico me deixou muito motivado.  Será um imenso prazer fazer parte desse time de ouro e que tem uma instituição séria, comandada pelo presidente Carlos Fernandes que muito nos honra, juntamente com toda sua equipe. Sendo assim, deixo aqui registrada a minha vontade de representar o Taekwondo e o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Com toda minha estima, força e honra”, escreveu o atleta em carta encaminhada e divulgada pela Confederação Brasileira de Taekwondo.

A entidade, claro, não tem nada a perder com isso. Trata-se, afinal de contas, de um atleta com mais visibilidade do que qualquer outro no Brasil que pratique o taekwondo – e não estou menosprezando os demais lutadores de taekwondo. Mas fato é que o MMA tem mais atenção na mídia. Dar o título de embaixador a Anderson em 2013 foi o primeiro passo de uma aproximação que culminaria com a participação do Aranha na Olimpíada.

Caso se dedique exclusivamente ao taekwondo daqui para a frente e dispute competições da modalidade para entrar nos rankings e se credenciar para seletivas, não há o menor problema. Mas se Anderson Silva ganhar uma vaga direta apenas pelo nome, haverá algo muito errado. Não que Anderson não tenha condições de lutar nos Jogos. Atleta fantástico, Anderson teria apenas de adaptar aspectos no seu jogo ao taekwondo. Joelhadas, por exemplo, não teriam mais lugar, assim como socos. O taekwondo, sobretudo no aspecto esportivo, é 99% composto apenas por chutes direcionados à cabeça e ao tronco. Chutes baixos – como o que causou a fratura na perna esquerda na luta contra Chris Weidman, no UFC – também teriam de ser retirados do “cardápio” de Anderson.

Ou seja: o cenário não é dos mais positivos para Anderson Silva. O tempo para ele se readaptar à modalidade e disputar competições específicas é pequeno. E, diante de atletas exclusivos do taekwondo com menos idade, as chances do Aranha parecem pequenas. Tudo indica que essa vontade súbita de representar a modalidade na Olimpíada do Rio de Janeiro aconteceu por causa da provável suspensão que ele receberá no MMA. É uma tentativa desesperada de limpar a imagem, arranhada pela suspeita de trapaça.

Crédito da foto: Reprodução/Instagram

* Curtiu esta matéria? Siga o autor no Twitter: @matheusadami



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.