Opinião: Cenário está montado para um novo milagre do Atlético-MG

Getty Images

O Atlético-MG empacou mesmo no Atlas-MEX. Perdeu em Belo Horizonte e no México, virou alvo de piadinhas e trocadilhos com o nome do rival, se complicou na Libertadores e agora precisa vencer o Colo Colo por dois gols de diferença no Independência para avançar na competição continental. Conhecendo o Galo, qual é a dificuldade?

LEIA MAIS
Atlético-MG cai diante do Atlas-MEX e se complica na Libertadores

Respeitando, é claro, o time do Colo Colo, nunca é demais lembrar que o Atlético-MG virou especialista exatamente em reverter situações difíceis. Esqueçam que se trata de uma fase de grupos com pontos e tudo mais. O jogo contra os chilenos agora é um mata-mata no qual o Galo entra em campo como se tivesse perdido por 1 a 0 no duelo de ida. Simples assim.

Como duvidar de um elenco que mostrou força suficiente para duas vezes seguidas sofrer um 2 a 0 fora de casa para times fortes, como Corinthians e Flamengo, sair atrás no marcador do jogo da volta, ver a situação se complicar pelo fator “gol qualificado” e ir buscar quatro gols em 60 minutos? O Atlético-MG já passou por testes de fogo e foi campeão da Copa do Brasil.

O fato de agora ser uma outra época, o elenco ter diferenças, como as saídas de Diego Tardelli e Pierre, não apaga que o Atlético-MG se formou nos últimos dois anos em cima de uma base sólida: raça e força da torcida. Tudo isso estará à disposição no Independência na última rodada da primeira fase da Libertadores.

Que o torcedor atleticano esteja preparado inclusive para sofrer um gol e ver o time vencer, sei lá, por 3 a 1. Aguentar emoção é critério básico para torcer pelo Galo. Mas a fé e a esperança devem prevalecer neste momento. O Atlético-MG está vivo e deve ser respeitado.



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.