A primeira partida de futebol oficial no Brasil completa 120 anos; relembre

Brasil

O ano era 1895. O Brasil vivia ainda uma fase de crescimento e desenvolvimento. Naquele tempo, muitos foram os fatos de grande relevância. Após um longo tempo de conflitos políticos, o país reata as relações diplomáticas com Portugal. A Revolução Federalista no sul do país, ocorrida após a Proclamação da República, chega a seu fim com a assinatura de um tratado de paz entre os republicanos e os federalistas – que pretendiam, na época, “libertar o Rio Grande do Sul da tirania de Júlio de Castilhos”, então governador do Estado. E na cidade de Paris, na França, os governos brasileiro e japonês assinam o Tratado de Amizade, Comércio e Navegação, a fim de estabelecer as relações diplomáticas entre as duas nações.

LEIA MAIS

Opinião: Futebol brasileiro melhorou estádios e piorou quase todo o resto

Foram todos esses fatos marcantes na história do Brasil e no mundo, mas no cenário nacional do esporte, foi o tempo em que a população começava a ser apresentada por uma nova modalidade esportiva. Um estrangeiro vindo da Inglaterra, de forma esférica, com pele de couro e que quicava toda vez em que era chutada deu o ar da graça nos campos localizados nas várzeas e regiões tanto nobres quanto periféricas da cidade de São Paulo.

O soccer ou o football, logo foi traduzido para o popular brasileiro futebol. Charles Miller, considerado o pai do esporte bretão, bem como do críquete e do rugby, foi o responsável por contagiar a todos os brasileiros com essa modalidade, que logo, se tornou a atual referência do país.

Neste dia 14 de abril, fazem exatos 120 anos em que o pontapé inicial foi dado. O futebol, visto como esporte onde apenas a elite obtinha o direito à prática, teve sua história mudada a partir de 1894. O paulista Charles William Miller introduzia em terras brasileiras um elemento trazido da Inglaterra chamado bola.

Durante boa parte de sua vida, Miller morou e foi educado na Inglaterra. Conheceu o futebol no colégio, jogando pelo Banister Court School, depois pelo Corinthian football club, pelo St. Mary´s football club (atual Southampton football club) e pela seleção do condado de Hampshire. Era um atacante rápido, excelente driblador e dono de um chute forte e preciso, qualidades que o destacaram mesmo na Inglaterra, onde o futebol já amadurecera e conquistara um número expressivo de adeptos.

Após regressar da Inglaterra para o Brasil, Charles veio parar na Companhia Ferroviária São Paulo Railway, responsável pela linha que interligava São Paulo à baixada santista, e onde seu pai, o escocês John Miller, era um dos funcionários. E em uma iniciativa um tanto inusitada na época, funcionários da companhia ferroviária de origem inglesa criaram um time de futebol como uma forma de entretenimento e lazer entre os trabalhadores.

Foi então que naquele dia 14 de abril de 1895, a equipe da São Paulo Railway Athletic Club, time composto pelos próprios funcionários da companhia ferroviária, disputava a primeira partida oficial no país, contra a Companhia de Gás, também formada por trabalhadores da empresa.

O jogo aconteceu em um solo de terra na Várzea do Carmo, nas proximidades do centro paulistano. O clube ferroviário teve êxito na partida, vencida por 4 a 2, com dois gols de Miller. Nesse embate, um dado curioso: os jogadores de ambas as equipes eram ingleses radicalizados na cidade paulista.

No final do jogo, a exclamação feita pelos jogadores foi a seguinte: “Que ótimo esporte, que joguinho bom”. E foi assim o início de uma grande trajetória de conquistas do esporte em terras que ainda lapidariam outros grandes talentos na modalidade.

Foto: Reprodução/Facebook



Jornalista, repórter e locutor, é natural de São Paulo. Ainda no período acadêmico, produziu o documentário "O Futebol Nacional", sobre a história do Nacional Atlético Clube, contando com as análises de jornalistas e especialistas a respeito da equipe no cenário do futebol brasileiro. Além disso, possui o site "Comunique Esporte", sobre jornal