Seleção sub-20 será convocada para o Mundial nesta quarta; veja quem pode estar na lista

Alexandre Cassiano/ AG. O Globo

O técnico Alexandre Gallo vai anunciar nesta quarta-feira (29) a relação prévia de jogadores que poderão defender o Brasil sub-20 na disputa do Mundial que acontece na Nova Zelândia, entre os dias 30 de maio e 20 de junho. Após o modesto quarto lugar no Sul-Americano da categoria no início do ano, as posições mais criticadas – volantes, meias e atacantes – do grupo podem sofrer alterações, mas em todos os setores há disputas em aberto. A pré-relação a ser divulgada deve conter até 35 nomes.

De acordo com o regulamento da competição, o treinador deve enviar uma pré-relação com 35 nomes (sendo quatro goleiros), para definir os 21 inscritos (três goleiros) 10 dias úteis antes da estreia da equipe na Copa do Mundo. O primeiro jogo da seleção na Oceania será no dia 31 de maio, diante da Nigéria. Portanto, a relação final deverá acontecer entre os dias 15 e 18 de maio. Além dos africanos, Hungria e Coreia do Norte serão os outros adversários brasileiros dentro do Grupo E na primeira fase.

LEIA TAMBÉM:
Revista inglesa considera Gerson única promessa brasileira sub-20
Argentina sub-20 mantém desde a sub-15 três vezes mais que o Brasil
Estatísticas, o craque e a seleção dos melhores do Sul-Americano Sub-20

Buscando alternativas mas com dificuldades com liberações de jogadores, Gallo reuniu o grupo uma única vez após o Sul-Americano. Com uma relação de jogadores 100% diferente da que tinha em mãos no Uruguai, ele observou diversos atletas para a remodelagem da equipe em um torneio na Áustria, no qual o Brasil saiu com uma boa vitória sobre o Qatar, campeão asiático, e uma derrota para Honduras – quarto colocado na categoria da Concacaf.

Capitão e camisa 10 no torneio amistoso, o meia Gabriel Boschilia voltou com moral e deve ter uma das vagas. Além dele, o goleiro Jean, o lateral-esquerdo Jorge e os atacantes Gabriel Jesus e Ewandro também agradaram e devem entrar na pré-lista, com boas chances de estarem na relação final. O atacante Jean Carlos Rocha, que atua nas divisões de base do Real Madrid, foi titular nos dois jogos e acompanhado com atenção, muito por conta da escassa observação feita aos jogadores dessa categoria que atuam no exterior.

A única chamada no semestre é compreensível em certo ponto – haja visto que a maioria dos atletas já integram os elencos principais dos clubes com alguma importância, mas reduziu bastante, em contrapartida, as chances de quem não foi à Áustria ou que não acumula um histórico dentro das seleções de base. Dessa forma, nomes expoentes em 2015 não tiveram tempo para convencer Gallo com segurança de que são selecionáveis para um torneio de nível mundial.

Os mais ‘prejudicados’ foram destaques de times menores ou os que atuam na base, como por exemplo, o goleiro Gabriel Félix (Vasco); os laterais Henrique (Coritiba), Lucas Piauí (Náutico) e Léo Pelé (Fluminense); os volantes Fernando (Santos), Ikaro (Fluminense), Yago (Atlético-MG) e Dener (Figueirense); os meias Serginho (Santos), Luccas Barreto (Coritiba), Juninho (Palmeiras), Chiclete (ABC) e Raniel (Santa Cruz); e os atacantes Matheus Isaías (Portuguesa), Cassini (Corinthians), Damasceno (Atlético-PR) e Alisson Farias (Inter).

Elaborar e formar um grupo para um campeonato de base tem ingredientes nem sempre harmônicos. Deve-se levar em conta o currículo do atleta dentro da seleção; a projeção que ele terá e como sua carreira pode alavancar com a convocação; além do momento no clube – contrapondo os graus de dificuldade, como por exemplo, atuar no time profissional ou ‘ainda’ na base, e em times grandes, com maior concorrência interna, ou em menores. Passado, presente e futuro como alicerces para o objetivo maior e principal de uma seleção de base: servir à seleção principal.

O Torcedores.com mostra quais as chances dos principais cotados a disputar a 20ª edição do Mundial Sub-20, na Nova Zelândia. Além de um panorama de como e o quê Alexandre Gallo pode considerar para as escolhas em cada posição, os selecionáveis foram classificados em três níveis, de acordo com a possibilidade de convocação: ‘garantidos’, ‘na disputa’, ‘correm por fora’. Em itálico, apontamos aqueles que deviam ser os 21 escolhidos no corte final. Confira a análise:

GOLEIROS

‘Garantidos’: Jean (Bahia), Marcos (Fluminense);

Na disputa: David (Criciúma), Georgemy (Cruzeiro), Lucas Perri (São Paulo);

Corre por fora: Rodolfo (Atlético-MG).

Titular do Bahia, Jean entra forte na briga com Marcos pela titularidade. Camisa 1 desde a categoria sub-15, o jogador do Fluminense não convenceu no Sul-Americano, mas deve ir ao Mundial. O terceiro posto deve ficar entre Lucas Perri, que é preparado para ser o titular no próximo ciclo sub-20, David, em ascensão, e Georgemy, que pode acabar de fora. Já convocado outras vezes e eleito um dos melhores da Copinha, Rodolfo tem menos chances.

LATERAIS-DIREITOS

‘Garantido’: João Pedro (Palmeiras);

Na disputa: Auro (São Paulo), Willian Asevedo (Inter);

Correm por fora: Jéfferson (Ponte Preta), Raul (Grêmio), Rodrigo Ramos (Coritiba).

Mesmo sem jogar no Palmeiras – até mesmo entre os reservas, João Pedro convenceu no Uruguai e deve ser o dono da posição. Para a reserva, Auro é visto como deslumbrado e perdeu prestígio tanto no São Paulo quanto na Seleção e, antes nome certo na seleção de base, é carta fora do baralho. Com moral com Aguirre no Inter, Willian deve receber merecida chance. Jéfferson, que agrada Gallo, tem chances. O promissor Raul e Rodrigo Ramos correm por fora.

– LATERAIS-ESQUERDOS

‘Garantidos’: ninguém.

Na disputa: Wanderson Caju (Santos), Jorge (Flamengo), Júnior (Grêmio), Mateus Muller (Palmeiras);

Correm por fora: Lorran (Vasco), Arana (Corinthians) e Pará (Cruzeiro).

Posição mais em aberto no grupo da seleção sub-20. Mesmo titular durante todo o Sul-Americano, Caju não empolgou e amarga a reserva de Chiquinho no Santos. Pra muitos o melhor da posição na categoria, Jorge foi à Áustria e aparece como boa opção. Sempre utilizado por Felipão, Júnior já jogou em seleções de base e também tem boas possibilidades. Outro bom valor, Léo Pelé, do Fluminense, nunca foi lembrado e não será chamado. A tendência é que apenas um lateral esquerdo vá ao Mundial.

ZAGUEIROS

‘Garantidos’: Marlon (Fluminense), Lucão (São Paulo), Léo Pereira (Atlético-PR);

Na disputa: Eduardo Bauermann (Inter), Nathan Cardoso (Palmeiras), Luís Vinícius (Vitória), Bruno Viana (Cruzeiro), Iago Maidana (Criciúma);

Correm por fora: Hugo (São Paulo), Émerson (Botafogo) e Rodrigo Sam (Corinthians).

Setor bem servido, a zaga tem opções de sobra para, teoricamente, três vagas para a Nova Zelândia. A quarta dependerá do planejamento e do desenho de Gallo para seu elenco, e jogadores polivalentes ganharão pontos nesse critério, caso de Léo Pereira, diversas vezes utilizado na lateral esquerda. Caso sejam quatro beques, a disputa pelo último posto será acirrada, não excluindo dela, inclusive, o ótimo botafoguense Émerson Raymundo.

– VOLANTES:

‘Garantidos’: Danilo Silva (Braga/POR), Matheus Biteco (Grêmio), Walace (Grêmio);

Na disputa: Alef (Olympique Marseilhe/FRA), Bruno Paulista (Bahia), Eduardo Henrique (Atlético-MG), Flávio Medeiros (Vitória), Thiago Maia (Santos);

Correm por fora: Gustavo Hebling (São Paulo), Fernandes (Botafogo) e Marciel (Corinthians);

Os volantes praticamente garantidos são pelos indícios das preferências de Alexandre Gallo na posição. Entretanto, nenhum dos três tem como característica forte o jogo técnico e a saída de bola, nem cria expectativa para ser um jogador de alto nível no futuro. Melhor seria a reformulação total no setor, priorizando jogadores mais técnicos como Hebling, Marciel, Fernandes e Bruno Paulista, que também atua como lateral e precisa ser lembrado.

– MEIAS

‘Garantidos’: Boschilia (São Paulo), Gérson (Fluminense), Marcos Guilherme (Atlético-PR);

Na disputa: Andreas Pereira (Manchester United/ING), Caio Rangel (Cagliari/ITA), Nathan (Chelsea/ING), Rômulo (Bahia);

Correm por fora: Jajá (Flamengo), Matheus Pereira (Sporting/POR) e Otávio (Vitória Guimarães/POR);

Pelo esquema quase sempre usado pela seleção, somente um meia começa jogando. Seriam dois, portanto, os chamados ao Mundial. Marcos Guilherme e Caio Rangel, no entanto, atuam também pelas beiradas e deviam ocupar esses espaços na divisão de posições na lista, sendo Gérson e Boschilia os articuladores. Pouco testados, Jajá e Rômulo são nomes a se acompanhar de perto. Cortado do Sul-Americano por lesão, Otávio joga como lateral, meia e atacante e pode ter outra chance.

– ATACANTES

‘Garantidos’: Carlos (Atlético-MG), Ewandro (São Paulo), Kenedy (Fluminense), Thalles (Vasco), Yuri Mamute (Grêmio);

Na disputa: Gabigol (Santos), Gabriel Jesus (Palmeiras), Bruno Lopes (Criciúma), Jean Carlos Rocha (Real Madrid/ESP), Judivan (Cruzeiro), Malcom (Corinthians);

Correm por fora: Bruno Gomes (Inter), Clayton (Figueirense), Joelinton (Sport) e Robert (Fluminense).

A média de gols bem abaixo da crítica no início do ano aconteceu bem mais pelo pouco repertório de jogadas ofensivas do que pela qualidade individual das peças, é verdade, mas o maior goleador da base brasileira segue de fora da seleção (Bruno Gomes), e o mais promissor, Gabigol, não conta com a simpatia de Gallo e pode, até, nem entrar na lista do Mundial. Para as beiradas, Robert e Clayton não receberam muitas chances, mas seriam gratas surpresas.

Desfalques por até 7 rodadas do Brasileirão

Caso o Brasil chegue à final, os convocados deverão desfalcar seus clubes em boa parte do primeiro turno do Campeonato Brasileiro, que começa no dia 09 do próximo mês. Considerando 15 dias de treinamentos antes da estreia, eles perderiam desde a 2ª rodada, nos dias 16 e 17 de maio, até a 8ª, em 18 e 20 de junho. Os jogadores das equipes brasileiras que disputam a Libertadores podem ficar ausentes, também, dos dois confrontos das quartas de final – depois haverá uma pausa para a Copa América. A final do Mundial Sub-20 está agendada justamente pra o dia 20. A primeira fase se encerra no sétimo dia do mesmo mês.

(Foto: Alexandre Cassiano/ Ag. O Globo)



Jornalista formado pela Fiam-Faam (2016), começou a acompanhar futebol de base a partir de 2007. Colaborou para o site Olheiros.net, foi setorista do Jornal Guarulhos Hoje e trabalhou na Press FC Assessoria e na Revista Palmeiras. Escreve para o Torcedores.com desde 2015.