5 lições que o Santos aprendeu com o título do Paulistão

Divulgação/Santos FC

O Santos conquistou com todos os méritos nesse domingo (3) o Campeonato Paulista pela 21ª vez. A conquista sobre o Palmeiras por 4 a 2, nos pênaltis – após vitória por 2 a 1 no tempo normal – fez com que o Peixe se igualasse ao São Paulo em número de estaduais. O Palmeiras tem 22 e o Corinthians lidera a contagem com 27 taças.

LEIA MAIS:
Como era o mundo quando o Palmeiras ganhou o Paulistão pela última vez

O triunfo sobre o Palmeiras, na Vila Belmiro, depois de perder o primeiro jogo por 1 a 0 – dia 26 de abril, no Allianz Parque – ensinaram algumas lições importantes ao Santos, que vai estrear no Campeonato Brasileiro no próximo domingo (10), contra o Avaí, em Florianópolis. Confira:

1) Jogar na Vila Belmiro: sim
O Santos pode ter relutado, mas jogar na Vila Belmiro é bom negócio para o clube. Ao menos do ponto de vista esportivo. Se financeiramente atuar no Pacaembu é melhor – maior, o estádio paulistano rende maior dinheiro de bilheteria para o Santos –, dentro de campo a Vila Belmiro é um terror para os adversários. Os cobradores de pênalti do Palmeiras que o digam.

2) Favoritismo é algo teórico
Cada partida é uma realidade diferente. E, com isso na cabeça, o Santos tratou de esquecer que perderia o título paulista caso empatasse com o Palmeiras na Vila Belmiro. O time tratou a partida do último domingo como uma “qualquer” e jogou para ganhar. Deu certo. Venceu o jogo, levou a decisão para os pênaltis e foi feliz.

3) União faz a força
É clichê, mas se tem algo que sobra no futebol é vaidade. Grupos rachados, com atletas que não se falam e não se relacionam bem entre si, são mais comuns do que se imaginam. No Santos, isso não acontece. O grupo todo é unido e isso fez a diferença dentro de campo. Sem vaidade, o Santos azarão chegou longe, muito longe, no Campeonato Paulista de 2015.

4) Mistura de juventude com experiência vale a pena
De um lado, a juventude de Lucas Lima, Geuvânio e Vladimir. Do outro, a experiência de Ricardo Oliveira e Robinho. Assim foi o Santos ao longo do Campeonato Paulista. Mesclando a vitalidade da molecada com a maturidade dos “vovôs”, o time se sobressaiu ao estrelado Palmeiras. Se conseguir segurar os principais atores, o Peixe pode voar mais alto no Brasileirão.

5) Apostar no interino funciona
Marcelo Fernandes foi de técnico interino a treinador efetivo campeão. Efetivado no cargo após a demissão de Enderson Moreira, o ex-membro da comissão técnica permanente do clube mostrou que apostar em um interino funciona. Caminho que está sendo tomado também pelo São Paulo, que não descarta manter Milton Cruz como substituto fixo de Muricy Ramalho.

Crédito da foto: Divulgação/Santos FC



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.