Cinco motivos para o são paulino frequentar o Morumbi no Brasileirão

Divulgação/São Paulo

Chamado de “modinha” pelos rivais, é sempre um calvário convencer a massa são paulina a frequentar o Morumbi, em qualquer campeonato que seja (exceto a Libertadores). Tradicionalmente exigente com o clube, talvez mal acostumada por este ser tão jovem e tão vencedor, o torcedor do São Paulo costuma comparecer de forma maciça no estádio apenas quando o time faz uma ótima campanha ou tem chances reais de ganhar algum título.

Contudo, na Era do sócio-torcedor salvador da pátria, que com sua contribuição mensal ajuda – e muito – nas finanças do clube, ir ao estádio se tornou mais do que apenas acompanhar, pessoalmente, uma grande vitória do time ou a disputa de um título: se tornou um programa de fato, que desperta um sentimento de pertencimento no fã. Ele se sente parte daquilo

Partindo dessa premissa, o Torcedores.com levantou cinco motivos plausíveis para o torcedor Tricolor aparecer no Morumbi com maior assiduidade ao longo do Brasileirão. Confira!

1. Aposentadoria de Rogério Ceni

Esse motivo nem precisa explicar muito. Será durante o Brasileirão de 2015 que Rogério Ceni irá pendurar suas luvas e deixar órfãos os são paulinos. A confirmação disso foi feita por ele mesmo e agora todo jogo do São Paulo, no Morumbi, será a chance de ver as últimas atuações do maior ídolo da história do clube. Sábado, dia 23 de maio, uma oportunidade: o time enfrenta o Joinville, às 18h30.

2. Levantar o moral do grupo

Esse elenco do São Paulo comprovou, nestes primeiros meses de temporada, que precisa de afeto e atenção para render tudo o que sabe. Afinal, não pode ser apenas coincidência que os melhores jogos do time no ano tenham sido contra Corinthians e Cruzeiro, pela Libertadores, ocasiões em que a casa estava cheia. Se o são paulino quer ver coelho sair dessa cartola esse ano, vai precisar estar presente no show de mágica.

3. Pressionar alguns mais preguiçosos ou vaidosos demais do elenco

Em qualquer lugar que seja, gente vaidosa ou preguiçosa demais, vai atrapalhar o projeto e todo mundo envolvido nele vai sair perdendo. A vaidade de Luis Fabiano, por exemplo, sempre foi exacerbada, mas ultimamente, por ele estar, aparentemente, querendo sair do São Paulo, está causando efeitos piores do que deveriam. Outros, por falta de técnica ou preguiça, seguem a mesma linha e têm, sim, de ser pressionados para mudarem de postura por, no mínimo, respeito à instituição. O único modo de fazer isso é indo aos jogos e mostrando que há uma massa de gente que se mobiliza por eles e quer retribuição.

4. Pressionar também a diretoria

O Morumbi é um estádio completamente obsoleto. É localizado no meio de um bairro nobre, cercado de mansões, sem um transporte público decente, longe do metrô, do trem, sem estacionamentos dignos nos arredores e o único modo de acesso é por meio de ruas estreitas e avenidas de uma e duas faixas de rodagem, no máximo. Ir até lá é sempre difícil. Por isso, a diretoria tem de pensar em formas de tratar muito bem o torcedor, seja lá como for. Promoções de ingressos é o primeiro passo, mas não apenas. O programa de sócio-torcedor do clube é muito ruim e precisa ser revolucionado. A torcida, indo ao estádio em peso e com frequência, pode ajudar a acelerar esse processo.

5. Ajudar nas finanças

O São Paulo está endividado, devendo salários mês sim, mês não. A torcida não tem culpa nenhuma nisso, no sentido pragmático, afinal, não foi ela quem administrou mal as finanças e nem tomou decisões que atrapalharam o fluxo de caixa. Porém, ela é parte do show e o time só existe por causa dela. Por isso, é importante que ela compareça em maior número e em todo jogo, para contribuir também na parte econômica. Mais do que nunca, o Tricolor precisa de rendas robustas em seus jogos.

Foto: Divulgação / São Paulo FC



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...