Gol polêmico que decidiu título mineiro revolta jogadores da Caldense

Foto: Bruno Cantini

O Atlético-MG confirmou o favoritismo e venceu o Campeonato Mineiro pela 43ª vez na história. Thiago Ribeiro e Jô marcaram os gols da final, disputada neste domingo (3) em Varginha. Luiz Eduardo descontou para a Caldense, que saiu de campo protestando contra a atuação da arbitragem.

LEIA MAIS:
Jô desencanta após um ano e dá o título ao Atlético-MG
Herói do título mineiro, Jô marca após um ano: “Foi toque de Deus”

Os gols aconteceram no segundo tempo. Thiago Ribeiro saiu do banco de reservas para abrir o placar de cabeça, mas Luiz Eduardo empatou logo depois em lance de puro oportunismo. A principal reclamação da Caldense refere-se ao segundo gol, quando Jô apareceu adiantado e decidiu o jogo. O trio de arbitragem não viu a irregularidade e foi cercado após o apito final.

“A equipe foi bem, enfrentou o Atlético de igual para igual, mas futebol é assim mesmo: eles sempre puxam para os grandes. Isso prejudica nosso trabalho. Sair do campeonato de uma forma como esta é muito ruim”, disparou o capitão Plínio.

O volante Serginho concordou com o companheiro de equipe. “A gente sabia que ele era atleticano e vinha para atrapalhar a Caldense, mas vamos seguir em frente porque fizemos um belo trabalho que vai marcar nossa carreira”, lamentou.

Já o lateral Rafael Estevem preferiu valorizar a campanha do time de Poços de Caldas, que estava invicto até o jogo em Varginha. “Deixo para vocês julgarem [o lance polêmico]. Quero enaltecer o trabalho feito durante estes cinco meses. Nós fizemos um campeonato invicto, chegamos na final contra o time que foi campeão da Copa do Brasil”, completou.

O trio de arbitragem da final era composto por Emerson de Almeida Ferreira, auxiliado por Janete Mara Arcanjo e Guilherme Dias Camilo.