Guarani x Corinthians: A volta do “Guerrero” Paolo contra os paraguaios

Daniel Augusto jr

Após vencer a dengue, o artilheiro do elenco está de volta, após 1 mês e 4 partidas sem jogar, o camisa 9, Paolo Guerrero tem  mais uma importante batalha na partida de hoje a noite (06), no Defensores del Chaco às 19h45 contra o Guaraní (PAR). 

Os torcedores do Timão contavam as horas para ver a estrela da equipe,Paolo Guerrero, novamente como titular, já que Wagner Love, não tem agradado muito. Guerrero é o artilheiro do Corinthians em 2015. Em 17 vezes que entrou em campo, o peruano tem 12 gols – seis no Paulistão Itaipava, quatro na Copa Bridgestone Libertadores e dois na Florida Cup, torneio em que foi eleito o melhor jogador merecidamente. Só diante do Danubio (URU), no último dia 1º de abril, na Arena Corinthians, o camisa 9 balançou a rede três vezes, um mito.

Guerrero é promessa e esperança para o jogo de hoje, mas não deve jogar os 90 minutos. O jogador ainda está se recuperando e está visivelmente mais magro. “Talvez o Guerrero ainda esteja um pouco abaixo do seu padrão normal, mas melhorou muito. Ele não atingiu a sua plenitude. A sequência do trabalho dará essa condição”, confiou Tite, aproveitando o ensejo para agradecer a médicos, fisioterapeutas e preparadores físicos do Corinthians. “É o trabalho invisível para o torcedor, que valorizamos”.

“A volta do Guerrero vai ajudar muito nossa equipe, ele é um jogador que tem sido referência para nós, feito gols. Ele vai nos ajudar muito”, disse Jadson, na coletiva.

O peruano é também o maior artilheiro estrangeiro da história do Corinthians, com 54 gols em 126 jogos. No clube desde 2012, conquistou os títulos do Mundial de Clubes 2012, além do Paulistão e Recopa Sul-Americana em 2013.

A escalação para a noite de hoje é a seguinte: Cássio, Fagner, Felipe, Gil e Fábio Santos; Ralf; Elias, Jadson, Renato Augusto e Luciano; Guerrero. Emerson e Mendoza, estão fora. Expulsos contra o São Paulo, cumprem suspensão.

 

Imagem: Daniel Jr / Agência Corinthians



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."