Fluminense quer aproveitar preparação maior após queda no Carioca

Terminado os campeonatos estaduais, é a hora de todos pensarem naquele que é taxado por Washington Rodrigues, o grande Apolinho, como “A Grande Procissão”: o Campeonato Brasileiro de Futebol 2015. O Fluminense já vem pensando e se preparando desde a sua eliminação nas semifinais do Cariocão para o Botafogo em 18 de abril.

Para melhor se preparar para a disputa do Brasileirão, o time comandado por Ricardo Drubscky realizou uma inter-temporada em Mangaratiba, cidade localizada na Costa Verde do estado do Rio de Janeiro. Lá o treinador pode colocar no time um pouco mais da sua forma de jogo.

Em jogo-treino disputado contra o São Cristóvão e vencido com certa dificuldade por 1×0, o time-base titular do Fluminense foi esboçado com Diego Cavalieri; Wellington Silva, Gum, Marlon e Giovanni; Pierre, Rafinha, Jean e Gerson; Marcos Junior e Lucas Gomes. Entretanto, esse não deve ser o time titular para o campeonato; Edson, Fred e Kenedy são peças primordiais e possuem a titularidade garantida. Wagner, Vinícius, Robert e Marlone brigam por uma vaga no meio-campo tricolor.

Em relação ao elenco que disputou o Campeonato Carioca, o Fluminense já conta com três reforços: o volante Pierre, o zagueiro Antônio Carlos e o atacante Magno Alves já foram anunciados oficialmente, e o lateral-esquerdo Breno Lopes está por detalhes com o jogador (o Cruzeiro já anunciou o empréstimo do jogador ao clube carioca). Entretanto, mais reforços são aguardados no Tricolor das Laranjeiras; a cúpula do futebol corre atrás de um meia e um atacante. O atacante pode ser Niltinho, destaque do Volta Redonda no Carioca.

Se chegaram reforços, o clube também conta com baixas, entretanto já esperadas. Igor Julião, Fernando, Guilherme Santos, Guilherme Mattis e Walter já deixaram as Laranjeiras. Os três primeiros, emprestados; Mattis não teve seu contrato renovado e Walter deixou o clube durante a disputa do estadual. Outros jogadores, como Higor Leite, Gustavo Scarpa e Willian, que disputaram os estaduais por Volta Redonda, Red Bull Brasil e Sport, respectivamente, devem ser emprestados novamente para que obtenham rodagem.
Ficha Técnica:

Elenco:

  • Goleiros:

→ 12 – Diego Cavalieri
→ 01 – Klever
→ 22 – Júlio César
→ 33 – Marcos Felipe

  • Zagueiros:

→ 03 – Gum
→ 04 – Marlon
→ 02 – Antônio Carlos
→ 21 – Henrique
→ 14 – Victor Oliveira
→ 13 – João Filipe

  • Laterais:

→ 25 – Wellington Silva
→ 16 – Renato
→ 06 – Giovanni

  • Volantes:

→ 08 – Edson
→ 05 – Pierre
→ 07 – Jean
→ 17 – Luiz Fernando
→ 15 – Rafinha

  • Meias:

→ 30 – Gerson
→ 10 – Wagner
→ 29 – Vinicius
→ 34 – Robert
→ 23 – Marlone
→ 31 – Bryan Olivera

  • Atacantes:

→ 09 – Fred
→ 11 – Kenedy
→ 20 – Magno Alves
→ 32 – Lucas Gomes
→ 35 – Marcos Junior
→ 19 – Michael*
→ 27 – Pablo Dyego**

* – Suspenso por doping, só deve voltar a atuar no próximo semestre.
** – Atua ora como atacante, ora como lateral-direito.

Treinador: Ricardo Drubscky

Destaque: Fred
Principal jogador e capitão da equipe, o camisa 9 foi artilheiro do último Brasileirão e do Campeonato Carioca 2015. Com faro de gol apurado, deve buscar a terceira artilharia consecutiva.

Para ficar de olho: Marlon, Gerson e Kenedy
O trio oriundo das categorias de base do clube vem apresentando bom desempenho e podem levar o time a alçar voos mais altos no Brasileirão.

Jogos que prometem: Atlético MG x Fluminense (2ª rodada), Fluminense x Corinthians (3ª rodada), Fla-Flu (4ª rodada), São Paulo x Fluminense (11ª rodada), Fluminense x Cruzeiro (12ª rodada), Fluminense x Vasco (14ª rodada), Fluminense x Grêmio (16ª rodada) e Internacional x Fluminense (18ª rodada).
Protagonizar jogos contra os maiores e melhores times do Brasil sempre são chaves para o desempenho de qualquer equipe em qualquer campeonato, e com o Fluminense não é diferente; em constante processo de reformulação nessa temporada, o Tricolor das Laranjeiras só poderá afirmar estar fazendo essa reformulação corretamente se atuar bem nos jogos acima citados, sobretudo os do primeiro turno.

Problemas do elenco: Sistema defensivo e peças de reposição
O Fluminense, nesse início de temporada, apresentou um péssimo desempenho do seu sistema defensivo. Laterais que subiam ao ataque ao mesmo tempo, volantes que se lançavam ao ataque e deixavam desguarnecida a defesa Tricolor, falta de cobertura dos laterais… Esses são apenas alguns problemas denunciados pelos jogos. A falta de peças de reposição de determinados setores da equipe também é algo grave; a maioria das posições no clube não conta com reservas a altura (ou em nível próximo) dos titulares.

Desempenho em 2014: 5ª Posição
Com o desempenho, o time até então comandado por Cristóvão Borges não alcançou a classificação para a Copa Libertadores da América, mas conseguiu como “prêmio de consolação” o ingresso nas oitavas-de-final da Copa do Brasil 2015.

  • Opinião do autor:

O Fluminense entra no Campeonato Brasileiro muito aquém do que se espera. O time é mais fraco do que deveria, tem setores deficientes e faltam peças de reposição para setores cruciais, como as laterais, meio campo e ataque, sobretudo na lateral-esquerda, meias-armadores e o ataque propriamente dito. O Flu corre atrás de reforços, mas é muito pouco provável que consiga achar nos níveis de Giovanni, Gerson, Kenedy e Fred, por exemplo.

O que pode se ver como ponto fraco durante a disputa do Carioca sob o comando de Drubscky foi o sistema defensivo. Se em força ofensiva o time cresceu, a defesa ficava muito exposta na maior parte do tempo e sofreu com bolas nas costas. Com a chegada de Antônio Carlos, que deve brigar pela titularidade (e atuar enquanto Marlon servir à Seleção Brasileira Sub-20), e o tempo de treinamentos em Mangaratiba, espera-se que o treinador reestruture o sistema do Flu.

O Tricolor das Laranjeiras pode levar vantagem no início por estar focado apenas no Brasileirão, já que só entra na Copa do Brasil no segundo semestre (está classificado as oitavas-de-final) e times como Corinthians, São Paulo, Internacional, Cruzeiro, Atlético-MG (Libertadores), Flamengo, Vasco, Santos, Palmeiras e Coritiba (Copa do Brasil), por exemplo, estão disputando competições paralelas, o que pode lhe render relativa vantagem para uma arrancada. O acúmulo dessa “gordura” pode acabar fazendo com que o time dispute até mesmo uma vaga na Libertadores – com muita sorte.

foto

Foto: Nelson Perez / Fluminense FC

* Curtiu esta matéria? Siga o autor no Twitter: @lnjorn



Lucas Nunes é um jornalista carioca apaixonado por esportes. Apesar de trabalhar em outros ramos da comunicação atualmente, planeja trilhar carreira no jornalismo esportivo, já que ama, em suma, o futebol, o automobilismo e o MMA.