Lotus teve de driblar proibição por Camel

Foto: Getty Images

A Lotus ganhou fama de ter um dos carros mais bonitos da Fórmula 1 entre 1972 e 1986, quando os bólidos, pretos e dourados, estampavam o patrocínio dos cigarros John Player Special. Entre 1987 e 1990, o time mudou radicalmente a pintura para amarelo. O motivo: uma nova marca de tabaco patrocinava o time, a Camel. Mas estampar o logo dos camelos nem sempre foi uma missão fácil para o time inglês.

LEIA MAIS:
Lotus espera evoluir na temporada

Intimamente ligados à Fórmula 1, os cigarros, ao longo do tempo, ganharam legislação rigorosa. A partir de 2007, foram banidos da categoria, mas, antes disso, alguns países já impunham restrições. Por isso, a Lotus já teve de ser criativa para mostrar o nome da Camel, sem contudo, mostrar de fato.

Como assim? Simples. Em vez do nome “Camel”, em azul no fundo amarelo, a escuderia pintou seu próprio nome nos carros. A patrocinadora, então, era a “Lotus”. Claro que isso era feito na mesma cor e tipologia da utilizada pelos tabagistas. E o camelo símbolo da marca continuava lá.

A parceria entre Camel e Lotus durou quatro temporadas, entre 1987 e 1990. Ayrton Senna esteve na equipe durante o primeiro ano – em 1988, ele migrou para a McLaren, onde fez história. Em 1988, o tricampeão Nelson Piquet chegou para o lugar de Senna, trazendo consigo o número 1, afinal, fora campeão em 1986 pela Williams.

Mas, em termos de títulos, a equipe não decolou. Se nos tempos de John Player Special a Lotus fora campeã em 1972 com Emerson Fittipaldi e em 1978 com Marco Andretti, com a Camel o time não conquistou nada.

Ironicamente, a marca de cigarros trocou a Lotus por outras equipes em 1991 e se deu bem. Estampou suas cores nas Williams que foram campeãs em 1992 (com Nigel Mansell) e 1993 (Alain Prost). Ao mesmo tempo, foi a principal parceira da Benetton, equipe que revelava ao mundo o futuro heptacampeão Michael Schumacher.

Foto: Getty Images



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.