Opinião: Para que tá feio!

Crédito: Getty Images

Não é possível que você ache isso engraçado. Ser tratado como bicho entrando em tapumes e ruas escondido da torcida adversária pra não ser apedrejado. Isso não se parece com o espetáculo que passa na TV. É mais semelhante a um treinamento de guerra ao lado de um estádio, um paintball sem armas pra maioria.

LEIA MAIS:
Que a falta de punição na Argentina sirva de lição para a impunidade brasileira
Guerrero é ofendido em rede social e desafia torcedor ir ao CT

É inacreditável que você veja riso em incendiar banheiros químicos, quebrar cadeiras ou destruir as louças de vasos sanitários num estádio de futebol. Estamos em 2015 e eu não consigo me convencer que possamos ver como mera traquinagem se alguém fizer cocô no mesmo assento que no próximo jogo deverá ser de uma criança, de um idoso ou de qualquer outra pessoa que esteja ali pra torcer pelo seu clube. Afinal, viemos pra ver gols ou tentar uma nova confusão?

Prefiro seguir em frente pensando que você não encontre beleza ou motivos pra jogar spray de pimenta nos olhos do jogador do outro time, que você não se divirta quando uma barra de ferro atinge quem foi visitar aquela que você chama de sua segunda casa.

Chamar um goleiro de bicha depois de tantos anos buscando uma nova forma de viver e entender a nossa sociedade parece tão…tão…limitado. Com tantas formas mais sutis e elegantes de cornetear o adversário, precisamos caminhar de forma tão agressiva em direção ao passado?

Músicas que diminuem o visitante estão apoiando o seu time em campo ou fomentando aqueles que não conseguem separar o canto e a literalidade do ódio? É realmente “só uma música” pra mim, pra você mas pra muitos talvez seja visto como ode ou hino.

Cada bomba de gás que estoura em dentro ou fora de um estádio, cada pedra arremessada, cada invasão de campo ou tiro de bala de borracha é uma derrota pra todos nós, vemos os pontos no campeonato da vida indo ralo abaixo. Quem sabe cancelamos o futebol e tentamos uma nova forma de esporte onde quem menosprezar, xingar, agredir e destruir o outro mais rápido sem ser punido vence o campeonato?

Precisamos ser autocríticos o suficiente pra ver que já tá mais do que na hora de parar porque já ficou feio há bastante tempo.

Sabe “aquela meia-dúzia?”,  “são só três ou quatro.” ou “são sempre os mesmos”? Infelizmente já não são só mais meia-dúzia, há tempos não são três ou quatro e já não são mais os mesmos. O futebol não pode se tornar secundário, não podemos ir ao estádio sem a certeza de que não vamos voltar pra casa com um olho roxo, uma marca de bala de borracha ou os olhos ardidos por gases de spray. Estamos perdendo de goleada, rumo ao “sofánatismo”, desistindo de apoiar os clubes e trocando por pipoca e pay-per-view.

Os deuses do futebol devem estar com as mãos no rosto até agora.

Envergonhados como todos que simplesmente querem F-U-T-E-B-O-L.

 

Imagem: Getty Images

 

 



Futebol e corneta sem esculhambar paixões.